Guia do Mineiro: Boa Esporte busca estadual com regularidade para ter 2021 de ressurgimento

 


O Boa Esporte inicia o Campeonato Mineiro com a meta de reestruturação. A Coruja vem de um 2020 de queda para a Série D do Brasileiro e com só cinco vitórias conquistadas em todas as competições disputadas. Para que este ano seja diferente, o planejamento é fazer um estadual regular para alçar voos maiores na temporada.

A primeira escolha acertada da equipe boveta para que o ano de 2021 seja de ressurgimento foi a manutenção de Ariel Mamede. Ele estava no comando da Coruja na queda para a quarta divisão nacional, no entanto, foi o único treinador que conseguiu vencer no torneio: dois triunfos nas nove partidas que esteve à beira do campo.

Em proporções maiores, ele é o técnico com maior aproveitamento no Boa ano passado. No Mineiro, sob comendo de Nedo Xavier, foram apenas três vitórias. No Brasileiro, nem Nedo e nem Sidney Moraes, que veio depois, conseguiram vencer. Com isso, a juventude de 32 anos de Mamede pode ser o segredo para a mudança de mentalidade boveta.

Dentro das quatro linhas, a reformulação foi maior. Do elenco que terminou a temporada, apenas sete jogadores permaneceram. Dos que disputaram o estadual do ano passado, só dois: Jefferson e Yuri Ferraz.

 Fazem parte do ‘novo Boa Esporte’ jogadores como o volante Romeu, especialista em bolas paradas, os zagueiros Admilton e André Penalva, o lateral Matheus Muller e o meia Léo Coca. Além deles, o jovem atacante Nicholas, que jogou a Série B pelo Figueirense.

Veja o elenco do Boa Esporte para o Mineiro

·         Goleiros: Carlos Miguel, Lucas Maticoli e Halls

·         Laterais: Yuri Ferraz, Lucas Santos, Carlos Henrique e Mateus Muller

·         Zagueiros: Admilton, André Penalva, Alex Alves, Gabriel Barbosa e Márcio

·         Volantes: Romeu, Guilherme Escuro, Vinícius Leonel e Rodrigo Ancheta

·         Meias: Dieguinho, Fabinho e Léo Coca

·         Atacantes: Jefferson, Diego Ceará, Rafael Chaves, Nicholas e Igor Eto'o

Análise dos jornalistas

Os jornalistas Lucas Soares e Franco Junior, editores do ge, acompanham o dia a dia do Boa Esporte. A aposta na manutenção de Ariel Mamede no comando do time é um ponto, para eles, que faz o clube começar a temporada com planejamento de mudança e vontade de se reerguer.

- Confiar em Memede para iniciar a temporada foi um acerto da diretoria. Mesmo com a queda para a Série D, ele foi o único que fez a equipe brigar por vitórias na temporada. Para o Mineiro, com a chegada de novos jogadores e com o trabalho de Ariel, a expectativa é de uma competição com, pelo menos, mais vitórias do que as apenas três do ano passado. Acredito que a Coruja conquiste uma vaga no Troféu Inconfidência e não passe apuros no campeonato – aponta Franco Junior.

- O maior reforço do Boa Esporte foi a manutenção de Ariel Mamede como treinador para a temporada. A permanência dele representa uma quebra de paradigmas de um clube que até pouco tempo insistia nos mesmos conceitos. Mamede é jovem, tem conceitos modernos e pode liderar a equipe para esse ressurgimento se tiver respaldo e tempo para trabalhar. No elenco, as contratações ainda são uma incógnita, mas o Boa dá uma cara de que neste ano a coisa vai - disse Lucas Soares.

Estreia no Mineiro

O Boa Esporte fez dois jogos-treino na pré-temporada: vitória sobre o Santarritense e empate com o Athletic. A Coruja tem estreia difícil no Mineiro no sábado (27), às 19h. O time de Varginha joga contra o América, em Belo Horizonte.

GE

Enviar um comentário

0 Comentários