Divergências com Bolsonaro sobre condução da pandemia inviabilizam nome de Ludhmilla para a Saúde

 


Desde a noite de domingo (14), autoridades de Brasília já reconheciam que tinha ficado inviabilizado o nome da doutora Ludhmilla Hajjar para o Ministério da Saúde. 

A percepção é que na conversa entre ela e o presidente Jair Bolsonaro, mais cedo no domingo, houve mais divergências do que consensos, inclusive em relação ao uso de medicações como cloroquina (defendido por Bolsonaro) e a necessidade de isolamento social (criticada por Bolsonaro). 
Segundo relatos, o único consenso entre os dois foi em relação à necessidade de vacinação em massa. 

Diante da conversa, interlocutores de Ludhmilla e do próprio presidente já avaliam que Bolsonaro vai buscar outras alternativas para substituir o ministro Eduardo Pazuello. 
Ao mesmo tempo, houve mal-estar causado pelos ataques especulativos de bolsonaristas em redes sociais contra Ludhmilla, inclusive publicando uma live que a médica fez com a ex-presidente Dilma Rousseff. 

Mesmo assim, no núcleo do governo, a percepção é que Pazuello precisa ser trocado rapidamente, já que ele perdeu a função de ser uma espécie de escudo, anteparo, do presidente. 
A queda da aprovação de Bolsonaro já preocupa o núcleo mais próximo do Planalto e é atribuída ao desempenho sofrível de Pazuello na gestão da Saúde durante a pandemia.

G1 Política

Enviar um comentário

0 Comentários