Em janeiro e fevereiro, farmácias testaram mais que em todo o ano de 2020, segundo levantamento

 


A procura por testes da Covid-19 em Minas Gerais nos dois primeiros meses deste ano já é maior do que todo o período do ano passado. Um levantamento da Associação Brasileira das Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) mostra que foram realizados 407.588 exames no Estado, entre janeiro e fevereiro de 2021.

A demanda é quase 70% maior se comparada com todo o ano de 2020, quando foram feitos 240.210 provas nas farmácias mineiras. A taxa de resultados positivos também aumentou. Até o final do ano passado, pelo menos 16,37% de todos os mineiros testados apresentavam a doença. Agora, o percentual de positividade nos diagnósticos é de 18,74%. 

Em grandes redes de drogarias como a Araújo, por exemplo, que tem mais de 250 lojas em Minas – 170 delas em Belo Horizonte –, a demanda por testes neste mês de março cresceu tanto que estão sendo feitos, em média, 2.000 testes por dia, com 28% dos resultados positivos.

“O testes rápidos de antígeno representam 75% da nossa demanda. Em janeiro, depois que as pessoas retornaram das férias após viajarem nas festas de fim de ano, estávamos fazendo 1.500 testes diários. Em fevereiro, essa procura diminuiu e agora, em março, a demanda está igual ao início de dezembro”, conta Isabel Dias, gerente técnica de serviço farmacêutico da Araújo.

Isabel acredita que o fato de as novas variantes do coronavírus que já circulam no Brasil serem mais transmissíveis, somado ao aumento no número de casos registrados no Estado, contribuíram para essa alta demanda. 

“As pessoas que buscam pelos testes sempre comentam que tiveram contato com algum infectado na família ou no ambiente de trabalho. Então, quem tem contato com o vírus, devido à facilidade de transmissão das variantes, acaba fazendo o teste”, pontua.

Cenário

Nos laboratórios também há registros de aumento nos testes de Covid-19. Na última semana de fevereiro, a procura por exames RT-PRC e Pesquisa de Antígeno (para quando há sintomas) no Lustosa, em Belo Horizonte, apresentou uma variação de 30% em comparação com a semana anterior, com uma taxa de positividade de 21,8%. 

Já na rede Hermes Pardini, apesar de o laboratório não divulgar a quantidade mensal de testes RT-PRC feitos em 2021, a taxa de positividade dos exames nos últimos três meses foi maior que a média mensal (28%) de 2020.

Fonte: O Tempo

Enviar um comentário

0 Comentários