Fisioterapeuta da clínica Unimed Varginha esclarece dúvidas mais comuns sobre LER/DORT

 


No cotidiano de muitos brasileiros, encontramos afazeres simples que se forem executados de forma errada e repetidamente, podem prejudicar muito sua qualidade de vida. O dia 28 de fevereiro é considerado o Dia Internacional de Combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados do Trabalho (DORT), e trouxemos aqui o fisioterapeuta da Clínica de Fisioterapia da Unimed Varginha, Gilson Maia Gomes, para tirar algumas dúvidas mais comuns sobre estes tipos de lesões, que atinge milhares de brasileiros por ano.

 Existe diferença entre a LER e a DORT?

Clinicamente falando não há diferença entre LER e DORT, porém a classificação do grupo de patologias que acometem o trabalhador nos exige uma nomenclatura mais específica. A LER representa “lesão por esforço repetitivo”, configurando um conjunto de afecções com intensidade e manifestações clínicas variáveis decorrentes de uma lesão. Porém observamos que nem todos os trabalhadores acometidos apresentam lesão musculoesquelética detectável. Outro ponto é o fato da sobrecarga dinâmica não ser o único fator nocivo ao trabalhador, sendo que uma contração muscular prolongada, uma vibração excessiva, um excesso de força aplicada para execução de uma tarefa ou até mesmo uma postura inadequada por parte do trabalhador podem vir a se tornarem nocivos. Por isso adotou-se a nomenclatura DORT que representa “doença ocupacional relacionada ao trabalho”, vindo a retirar a classificação de “lesão” e a característica de “esforço repetitivo” como único fator de agressão ao trabalhador.

 Quais são os distúrbios mais comuns causados pelo esforço repetitivo? Eles são causados somente para àqueles que trabalham em áreas administrativas?

As tendinopatias, bursites, mialgias, afecções de coluna vertebral, como cervicalgia ou lombalgia são as mais observadas em uma clínica de fisioterapia. Estas patologias podem se instalar em trabalhadores de diversos ramos ou postos de trabalho, cada um decorrente do fator que se torna agressor dentro da sua função exercida.

 

Existe algum sinal de alerta para a identificação precoce?

O primeiro sinal de uma doença ocupacional musculoesquelética é o desconforto ou dor leve durante a execução da atividade laboral, normalmente com melhora logo após cessar a atividade.

 Tem algum público que seja mais vulnerável a adquirir estas lesões?

Sim, indivíduos que sejam sedentários, apresentem histórico de patologias anteriores, que sejam displicentes ou pouco preparados para exercer uma determinada função ou até mesmo indivíduos que não sigam determinações da segurança do trabalho, correm grande risco de desenvolverem uma DORT. Vale salientar que o posto de trabalho não influencia diretamente na capacidade do indivíduo em desenvolver um sintoma, ao passo que cada um está sujeito a um tipo diferente de sobrecarga.

 

Como estas lesões causadas pela LER ou DORT podem ser tratadas?

Normalmente o indivíduo é acompanhado pelo médico e realiza o tratamento inicial com anti-inflamatórios (AINE ou cortisona), seguido de tratamento fisioterápico e posteriormente trabalho de condicionamento físico dirigido para o tipo de atividade que este desempenha. Em casos mais graves pode vir a ser necessário procedimento cirúrgico ou até mesmo o abandono do posto de trabalho.

 Existe prevenção? Quais as melhores atitudes para prevenir?

Sim, a melhor atitude para se prevenir doença relacionada ao trabalho é a prática de atividades físicas de forma consciente e regular, aliado aos alongamentos dos principais grupos musculares, pausas programadas durante o horário de trabalho e a manutenção de posturas adequadas para a realização das atividades.

A Clínica de Fisioterapia da Unimed Varginha também realiza atendimentos particulares e possui valores especiais para clientes Unimed Varginha. Os agendamentos podem ser feitos através do telefone (35)3606. 0251.

Enviar um comentário

0 Comentários