Prefeito prorroga decreto com restrições e faz apelo: “se a população não ajudar, não vamos vencer”

 


O prefeito Vérdi Lúcio Melo (Avante) anunciou nesta quinta-feira (25) que Varginha permanece fora da onda roxa imposta pelo governador Romeu Zema (Novo). Vérdi admitiu que há uma ação civil pública do Governo de Minas que pode fazer a cidade migrar de fase, mas afirma que defende que os comerciantes possam trabalhar. “Se eu fechar tudo como é que o coitadinho vai fazer? Não adianta tapar o sol com a peneira. Não quero culpar o comércio, quero culpar a população. No final de semana é festa, é rancho. Às vezes em outra cidade que não tem como alcançar. Poderia dizer que estou na onda roxa e fechar os olhos. Independentemente de estar na onda roxa, eu tenho que trabalhar, tenho que aumentar as barreiras, aumentar os leitos de CTI”, disse o prefeito na coletiva.

Vérdi ressaltou que as restrições impostas quando a cidade divulgou que não iria aderir à onda roxa e as outras estabelecidas posteriormente permanecem. Além disso, o prefeito disse que novo decreto será publicado com outras medidas rígidas de enfrentamento à Covid-19. Segundo o prefeito disse na coletiva, a venda de bebidas alcoólicas permanecerão proibidas aos sábados, domingos e feriados. Ele também apontou que barreiras sanitárias serão montadas na cidade para impedir a entrada de visitantes na cidade.

“Vamos implantar seis barreiras para impedir que as pessoas venham fazer passeios em nossa cidade. Vamos ainda instalar uma câmera na entrada da cidade para quando o carro chegar na barreira já ter a informação de onde é o veículo”, disse.

Vérdi ainda falou sobre nenhum cidadão ter ficado sem atendimento em relação à Covid-19 na cidade e relembrou a abertura de novos leitos para tratamento da doença.


Ação pela onda roxa

O Governo do Estado entrou com uma ação civil pública contra a Prefeitura de Varginha. A ação pede para que o município siga a onda roxa do programa Minas Consciente, sob multa diária de R$ 500 mil. O prefeito admitiu a existência da ação e afirmou que o setor jurídico da prefeitura está respondendo esta situação. Vérdi salientou que se decisão for para a adesão da onda roxa, Varginha irá cumprir a determinação. O procurador do município, Evandro Marcelo dos Santos, falou na coletiva sobre a ação e também afirmou que a cidade cumprirá em caso de derrota na Justiça.

“Há uma multa de 500 mil em caso de descumprimento. Multa é fixada pelo juiz, cada um pede o quanto quiser. Nenhum juiz fixa uma multa em um valor desse. É uma ação civil pública que a gente já esperava. Nós informamos que o município já respondeu e a decisão agora cabe ao Poder Judiciária. Se determinar que precisa aderir à onda roxa, Varginha vai aderir. Se disser que não, o município fará da forma que vem fazendo, um equilíbrio entre a saúde e a economia”, afirmou o procurador.

G1 Sul de Minas

Enviar um comentário

0 Comentários