Prefeitura de Varginha não adere à Onda Roxa e impõe novas restrições ao comércio

 


Em entrevista coletiva nesta terça-feira, 16, na Prefeitura de Varginha, o prefeito Vérdi Melo decidiu que a cidade não vai aderir à Onda Roxa determinada pelo Governador Romeu Zema a partir desta quarta-feira, 17. Ao invés destas medidas mais restritivas, o prefeito assinou o Decreto 10.300, com limitações de horários.

Segundo o boletim diário divulgado pela Secretaria de Saúde nesta terça-feira, Varginha tem 57 pacientes internados, 37 em enfermaria e 20 em CTI. Domingo, 14, o prefeito anunciou a abertura de mais 20 leitos de CTI e 30 de Enfermaria no Hospital de Campanha. No total, somando os quatro hospitais, o município soma 70 leitos de UTI, 60 deles públidos.

Vérdi Melo acredita que fechar a cidade é uma medida muito dura. “Desde o começo temos implementado nossas medidas. No início da pandemia fechamos o comércio, fechamos toda a cidade e não foi uma experiência muito boa pra nós. Por isso nós entendemos que nesse momento fechar totalmente a cidade estaríamos prejudicando as pessoas também em termos econômicos”.

A justificativa para Varginha não entrar na Onda Roxa foi dada pelo Procurador do Município, Evandro Marcelo dos Santos. Segundo ele a obrigação de adesão dos mais de 800 municípios mineiros é inconstitucional porque foi instituída por um comitê formado por secretários de estado, não um decreto do governador ou uma lei.

O prefeito Vérdi Melo assinou nesta terça-feira, 16 o Decreto 10.300 restringindo o horário de funcionamento de alguns setores. O decreto na íntegra pode ser lido no nosso site: http://www.gazetadevarginha. com.br/.



Enviar um comentário

0 Comentários