Emater cria cartilha com cuidados contra a covid-19 na colheita do café em MG

 


No final de abril, em Minas Gerais, aumenta a movimentação de pessoas nas áreas rurais para o começo da safra do café. Os trabalhos na colheita se estendem por mais de seis meses e recebem inclusive para trabalhadores de outras regiões do país. E em tempos de pandemia, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) criou uma cartilha para evitar a propagação da covid-19. Buscando reduzir os riscos de disseminação da doença, a Emater preparou uma cartilha com orientações específicas para a colheita, que têm como referência o Ministério da Saúde e a Secretaria de Estado de Saúde. As recomendações vão desde a higiene pessoal e dos materiais utilizados, até normas de transporte das pessoas para as lavouras. Por exemplo, os veículos devem ser desinfetados, antes e depois das viagens, com uma solução de uma parte de água sanitária para dez de água. Nos alojamentos para os trabalhadores que vierem de fora, a distância mínima entre as camas deve ser de dois metros. E, nos refeitórios, talheres e copos devem ser descartáveis. Também há orientações específicas para o trabalho de colheita. Na derriça do café, seja manual ou com derriçadeiras, o ideal é que cada fileira seja colhida pelas mesmas pessoas, mantendo a distância mínima de dois metros entre os trabalhadores.

Enviar um comentário

0 Comentários