Coluna - Luiz Fernando Alfredo 25/05/2021



 Mentes inconsistentes ou sinal dos tempos? 

Desde quando escrevemos textos sobre política, procuramos sempre a isenção e a verdade, nos esquivando de sermos tendenciosos ou de acusarmos alguém sem que pudéssemos provar, especialmente quanto a política local, procurando o caminho do raciocínio para não cairmos no ridículo de não sofismarmos o defensável, afinal não escrevemos com espírito de ódio, quando nos cabe, expressarmos nossa opinião é sempre fundamentada, sem medo de sermos desacreditados por especialistas em qualquer matéria que arriscamos comentar.
Lógico quanto mais amealhamos conhecimento, sentimos quão longe estamos de saber, mas tentamos sem pretensão, manifestarmos nossa visão, ainda que sujeito às contestações e críticas – é o preço para quem tem coragem de se expor.
Em tendo dito isto, gostaríamos de lembrar nossos leitores que somos filiados ao MDB, cumprindo à legislação pertinente, mas após as eleições de 2018, nossos verdadeiros partidos são o Brasil e Varginha. Como temos no Brasil dezenas de partidos (boa parte de aluguel), não acreditamos que a maioria tenha objetivos verdadeiramente ideológicos capazes de enredar outras agremiações para uma mudança radical no sistema de governo deste país; a verdadeira sanha é o poder. Com exceção do PT e seus puxadinhos, pois estes são indiscutivelmente esquerdistas e a maioria de seus seguidores dos altos escalões central ou regional, são comunistas de carteirinha. Eleitores destes indesejáveis e perigosos políticos são apenas massa de manobra impulsionados por uma vã esperança. 
Em 2018 vimos um fenômeno chamado Bolsonaro chegar à Presidência, através de um pequeno partido, carregando tantos desconhecidos e só a menção do nome deste candidato fora suficiente para eleger os governos de Minas, São Paulo e Rio. A maior zebra de todos os tempos estava concretizada, tanto que até hoje não se conformaram.
Todos nós estamos cansados de sabermos o que relatamos, porém mais uma vez o fizemos para demonstrar, que a nosso ver, grandes líderes de partidos que apenas “mamaram” no PT e outros que achando as portas da roubalheira escancaradas, resolveram experimentar o vil metal alheio e parece que gostaram muito.  
Aventamos isto após vermos uma das declarações mais antipatriota de um ex presidente, Fernando Henrique Cardoso, além de sua impecável cultura, foi um dos melhores presidentes do Brasil, enquanto não tínhamos este antagonismo direita e esquerda – depois ele se tornou injustamente radioativo.
Fernando Henrique Cardoso, a pessoa mais injustiçada por Lula no Brasil, apanhou durante doze anos quieto e até então não sabíamos, se calava por elegância ou covardia, no entanto após declarar que vota em Lula, a maior desgraça de todos os cantos da nação visíveis e invisíveis, quase perdemos a noção do tempo.
Serão inconsistências de cabeças pensantes ou o errado atraindo, como um ima, àqueles que outrora pareciam grandes líderes; é inconcebível certos indivíduos não enxergarem o óbvio, ou a nova condução da nossa República, com às torneiras da corrupção fechadas, está incomodando tanto que, só conseguem ver o atual Presidente com um ódio avassalador, até agora inexplicável. A não ser que sejamos cegos, só estamos melhorando o país, a par da pandemia. Bem, a inveja desiquilibra adversários!!!
Pode ser sinal dos tempos ou não, talvez a maioria dos olhos raivosos lacrimejantes de saudades dos velhos tempos, estão com estrume humano misturado aos neurônios. Brasil avançando, é bom para todos.
A propósito, um comentário para reflexão. Vamos imaginar que este vírus, que a OMS encobriu e que apenas uns três Chefes de Governo no mundo, mencionaram o possível genocídio Xing Ling, e no Brasil foi sob protestos de alguns políticos vassalos da escória do planeta, fosse oriundo do Iraque. Imaginaram? O Iraque teria virado brasa. Conveniente né, econômica e belicamente? 
Com a licença de todos, citamos mais uma vez, a frase que cunhamos e sempre iremos repeti-la: A coragem é a âncora que sustenta todas as virtudes do homem.

Enviar um comentário

0 Comentários