Coluna Fatos e Versões com Rodrigo Silva Fernandes



 Personalidade nacional 

O senador Rodrigo Pacheco, eleito para o Senado pelo Democrata de Minas Gerais em 2018, está se consolidando como personalidade política de destaque no cenário nacional desde de que assumiu a presidência do Senado Federal. Pacheco tem fortes ligações com o Sul e Sudoeste mineiro e possui amigos em Varginha. O senador começou sua carreira política no MDB como deputado federal, indo em seguida para o Democrata onde se elegeu senador. Já no começo do ano, Pacheco era sondado para candidatar ao Governo de Minas, sendo esta possibilidade descartada pelo próprio político, que tem focado seus esforços em levar adiante as reformas necessárias ao Brasil que tramitam no Senado. Agora com a ascensão a presidência do Senado e a postura independente diante da CPI da Covid tem levado o nome de Pacheco a ser sondado para disputa em 2022 como um bom nome a vice-presidente, o que naturalmente também não é o foco do jovem senador. Mas, embora Pacheco negue ser candidato em 2022 isso não significa que ele ficará de fora das eleições ou que o Democratas não terá candidato em Minas e no Brasil. Aliás, Rodrigo Pacheco é o presidente do Democratas em Minas Gerais. O governador Romeu Zema, bem como seu maior concorrente ao Palácio Tiradentes, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil sabem que mesmo sem ser candidato, o apoio de Rodrigo Pacheco significa muitos votos pelo interior afora. Pacheco não definiu quem apoiará em 2022, mas tem conversado muito com apoiadores e correligionários pelo estado, inclusive em Varginha. 

 

Preocupação e provocação 

O prefeito Vérdi Melo está preocupado com o aumento dos casos de contaminação e mortes por covid-19 em Varginha. A cidade é referência para tratamento da doença para outras cidades menores e embora exista ações de prevenção em Varginha, a diminuição do contágio por aqui não depende apenas de Varginha. Todavia, o governo municipal tem mostrado empenho em convencer a sociedade a se proteger e manter o distanciamento. O governo também tem apoiado a economia local e estimulado o comércio e pleiteia a plena volta as aulas para alguns setores da Educação, respeitado todos os protocolos de segurança. Mas como a vida política não é coisa fácil, o Sindicato dos Professores da rede pública municipal está em “pé de guerra” com o município, e luta para impedir o retorno as aulas. A troca de farpas entre o governo e os líderes do movimento grevista dos professores é claramente um movimento político e já foi parar na Justiça. Não será a primeira vez que isso ocorre, mas certamente é a “provocação política” que mais contrariou o prefeito nas últimas semanas. 

 

Bisbilhotando 

Adversários recentes do atual governo municipal, pessoas que foram contrariadas ou perderam poder nesta administração municipal sondam as contas públicas apresentadas pelos candidatos a prefeito de Varginha, principalmente o vencedor. Procuram “brechas e coincidências” que confirmem os buchichos envolvendo o secretário municipal que foi o “arrecadador mor” da campanha. A missão é difícil e pode não ser preocupação exclusiva do atual governo. Segundo se comenta, a prestação de contas oficial da maioria dos candidatos é tão real e confiável quanto o planejamento orçamentário anual do município, que na prática, é mais peça de ficção. De qualquer forma, é bom ficarem de olho! 

 

Eventos 

Os produtores de eventos de Varginha e região vivem situação pré-falimentar e o desemprego no setor atinge níveis inimagináveis. Mesmo com a recuperação lenta de setores como hotelaria e restaurantes que aos poucos vão sobrevivendo, os produtores de eventos estão quase todos quebrados. A velocidade da vacinação no Brasil é lenta e apenas com a vacinação é que teremos a segurança para retorno dos eventos culturais, esportivos e entretenimento em geral. O Theatro Capitólio, Estádio Municipal Melão, entre outras estruturas públicas utilizadas para eventos têm agora uma triste oportunidade para reformas e melhorias, visto que não podem mesmo ser utilizados na pandemia, mas podem passar pelas reformas, ampliações e ajustes que sempre incomodaram a população quando ficavam meses fechados. Será que o governo está aproveitando este tempo para melhorar suas estruturas de eventos públicos, ou depois da pandemia ficaremos com tais estruturas paradas para reformas? 

 

De volta ao poder? 

No embaralhado jogo de possíveis candidatos a deputado na região ainda temos a dúvida se o ex-deputado estadual Dilzon Melo vai mesmo abandonar a política ou se vai colocar seu filho como candidato a deputado para manter o poder político da família. Sabe-se que Dilzon, embora tenha sede de poder, talvez não tenha mais a mesma vitalidade e disposição de rodar o estado, dar tapinha nas costas e falar palavrões para se aproximar do eleitor e ganhar votos. Mas certamente tem entre seus filhos nomes aptos e com tempo para tal. Dilzon Melo passou um tempo no exterior, está curtindo a família e a confortável vida que o mundo político lhe proporcionou, talvez não queira mesmo voltar ao poder. Mas isso não significa que vai “jogar fora” sua legião de apoiadores e os milhares de votos que possui na região. Será que a família Melo terá um representante nas urnas em 2022? Ou será que Dilzon vai “negociar bem” seu apoio para eleger um novo “barão político no Sul de Minas”? A conferir! 

 

Crescimento urbano 

A cidade de Varginha é uma prova de força de um setor que está crescendo muito, mesmo com a pandemia. Trata-se da construção civil! Com a queda das taxas de juros e abundância de crédito muitas famílias estão investindo em moradia própria. Este crescimento tem impulsionado as vendas de materiais de construção e diversas empreiteiras e empreendedores estão abrindo novos loteamentos e obras por todas as regiões da cidade. A venda de apartamentos e lotes têm crescido por todo o Brasil. O planejamento urbano e o Plano Diretor de Varginha são fundamentais neste momento para nortear o desenvolvimento da cidade. Temos ainda que ficar atentos para o funcionamento eficaz da Secretaria Municipal de Planejamento que articula todos os atores deste crescimento setorial. Existe muita “lenda urbana sobre casos” oriundos da Secretaria de Planejamento municipal, certamente, decorrentes do intenso trabalho que aquela secretaria tem enfrentado e daqueles que nem sempre saem satisfeitos. Mesmo porque, o poder público precisa ficar atento a normas e legislação de meio ambiente, parcelamento do solo, regras de urbanização e diversa outras que precisam ser cumpridas a risca. A valorização dos imóveis na cidade tem até despertado o “olho grande” de muitos empresários que chegam recentemente no meio. Certamente a coluna está atenta e ouve todos os burburinhos que vem desta área! 

 

Vozes do passado 

A coluna sabe que a condição de “ex-político” é algo raro de ocorrer, talvez por isso vejamos sempre nomes que nunca abandonam a vida pública, mesmo depois de “se despedirem” por mais de uma vez das urnas. Não sabemos se este é o caso do ex-prefeito Antônio Silva. Há quem diga que a saída da Prefeitura de Varginha com o desligamento da política foi apenas um “descanso” e que Silva continua ativo e crescente nos contatos e “prospecções políticas”, o que ninguém sabe ao certo. De qualquer forma, vê-se que o ex-prefeito mantém “postura institucional política” em suas redes sociais, o que é um sinal de quem não abandonou a vida eleitoral. E vale dizer que, mesmo que abandone as urnas, Antônio Silva ainda é um dos melhores “cabos eleitorais” da cidade, pois preserva boa imagem com o eleitorado. Sabe-se que Antônio Silva conversava com frequência com o prefeito Vérdi Melo, principalmente no começo da gestão. Parece que a frequência destas conversas foi reduzida, ainda assim, muito do que Silva aconselhou ou fazia ainda hoje é seguido por Vérdi. Ou seja, as vozes do passado ainda são atuais no pensamento do prefeito. Um dos poucos “escudeiros leais” a Antônio Silva insiste que o ex-prefeito deve ser candidato a deputado em 2022, mesmo sabendo que o ex-prefeito enfrenta resistência da família para voltar as urnas. Mas se, de repente, Antônio Silva aparecer como candidato a deputado em 2022, não se espantem, não será a primeira vez que o político contraria a família volta de onde nunca saiu! Vale dizer que nos últimos levantamentos realizados em Varginha, secretamente, o nome do ex-prefeito é um dos que possui melhor avaliação e credibilidade. 

 

Troca-troca 

Uma infinidade de possibilidades políticas estão sendo levantadas para abrigar candidatos a deputados em 2022. Principalmente os nomes que não ocupam cargos públicos e não possuem amarras legais estão sendo sondados por diversos partidos na cidade. Muitas legendas estão mudando de comando e postura. Outras tantas estão recebendo lideranças que secretamente pretendem mudar de partido. As mudanças locais, como sempre acontecem, vão depender de articulações nacionais e estaduais que mexem no jogo macro da política nacional. Como disse a coluna, uma fofoca vinda de Brasília dava conta que o presidente Bolsonaro poderia ingressar no Partido Progressista para concorrer a reeleição em 2022. Não sabemos se é verdade, mas é certo que Bolsonaro precisa definir logo para qual legenda vai a fim de organizar sua tropa de choque pelos estados se quiser ter chances de vitória. Já no âmbito estadual, sempre foram fortes as conversas de que o Partido Novo poderia perder o governador Zema por conta da “intransigência política” da legenda e “dificuldade de relacionamento” do partido com outras lideranças e partidos em Minas. O tempo vai passando e Zema continua no Partido Novo, sabe-se lá até quando! Já em Varginha, o prefeito Vérdi Melo não comenta sua vida partidária, muito embora seu histórico político se identifique ao Avante da mesma forma que um peixe se identifica com uma bicicleta. Vérdi nada fala, mas sabe que está sozinho no partido ao qual chegou para ser candidato a prefeito a alguns meses antes da eleição. Não vai conseguir “montar um bom time sem um estádio estruturado, mas vai batendo bola pelos campos de várzea que encontra”. A exemplo dos jogadores de futebol, entre um campeonato e outro, o que mais temos são troca de camisas! 

 

Valorizado e abandonado 

O crescimento provocado pela Avenida Otávio Marques de Paiva depois da chegada do Shopping Via Café é algo que chama a atenção dos investidores imobiliários locais. Diversas obras e grandes construções naquela região então em andamento. Até mesmo grandes obras de saneamento no ribeirão que acompanha a avenida estão em curso. Contudo, uma área pública muito próxima está abandonada. Estou falando do Parque Municipal Novo Horizonte, uma área que ganhou valorização nos últimos anos e que esta espremida entre o crescimento urbano da cidade. A área foi a solução encontrada para “dar fim” a um buraco geológico que se tornou um lago arborizado e hoje muito bem localizado, numa região que vem ganhando alto valor comercial. Certamente que o governo municipal deveria olhar para o Parque Novo Horizonte com outros olhos! Valorizando o espaço e encontrando nova utilidade para a região, estimulando a presença da população ali ou mesmo revitalizando aquele espaço, que antes era um endereço certo para diversas famílias locais. 

 

Onde está Wally? 

O tempo passou, as eleições municipais ocorreram, com atraso, mas sem maiores problemas. Mas os poderosos ofendidos pelo polêmico Juliano Rodrigues continuam sem qualquer misericórdia do “doido das lives”! Última notícia que circulou foi de que o temido gordinho ainda estaria na cadeia, e nem tão gordinho assim, mas abatido e vencido pelas muitas dificuldades por que vem passando. Segundo comentários daqueles que ainda têm informação do mesmo, o desejo de Rodrigues seria de deixar a prisão e mudar de vida, o que alguns não acreditam. Na verdade, pela imagem que sempre passou nas ofensivas transmissões e aparições públicas que fez, o que se acredita é que, uma vez solto, Rodrigues vai apontar suas temidas acusações contra seus algozes, que hoje não estão mais apenas no Legislativo e no Executivo, mas sobretudo no Judiciário e no Ministério Público. Uma hora Juliano Rodrigues terá que sair e a certeza que fica é que, neste país, não se tem a liberdade e igualdade que pregamos nas leis e pode-se dizer o que pensa e pagar pelo que se diz. Mas se você estiver disposto a falar o que pensa contra pessoas poderosas, pode pagar bem mais caro do que se imagina ou que esteja previsto em lei.  


Enviar um comentário

0 Comentários