AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Sul de Minas investe em novas uvas para ampliar leque de vinhos finos

 


Na cidade de Andradas, Epamig finaliza estudo com 11 tipos de uvas, permitindo que a produção no Sul de Minas possa ir além de Syrah e Sauvignon Blanc, bem adaptadas à região.

Enquanto o interesse por vinhos finos cresce de maneira expressiva no Brasil, a produção da bebida no Sul de Minas ganha novos horizontes. Além de Syrah e Sauvignon Blanc, tipos de uva que se adaptaram plenamente à região, outras cultivares devem ganhar os vinhedos em breve, ampliando as opções em mercado promissor. Levantamento feito pela Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV) indica que o consumo no Brasil subiu 18,4% em 2020.

A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) está finalizando um estudo, realizado em parceria com a vinícola Casa Geraldo, sobre a eficiência de 11 cultivares, como Grenache, Tempranillo, Marsanne e Moscato Petit Grain.

Realizado ao longo de cinco anos, o estudo verificou o comportamento dessas uvas na região de Andradas a partir da técnica da dupla poda – que permite a colheita de frutas com ótima maturação no período de inverno. “Essas uvas responderam muito bem. O que falta agora é os vinhos passarem por análise sensorial dos enólogos para ver quais dessas variedades apresentam o melhor potencial enológico, para depois poder planejar uma produção comercial”, afirma Cláudia Souza, pesquisadora da Epamig.

A variedade de sabores é fundamental para a produção mineira crescer ainda mais em um mercado dominado por produtos internacionais, especialmente do Chile e da Argentina. “A syrah é a nossa rainha das uvas, é uma variedade vigorosa, com excelente potencial de maturação. Mas estamos tentando encontrar caminhos para expandir a produção, oferecer mais opções com viabilidade econômica”, conta Cláudia, que estima uma área de 150 hectares dedicados a vinhedos no Sul de Minas.

 

300 mil garrafas neste ano

De acordo com a Associação Nacional de Produtores de Vinhos de Inverno (Anprovin), a estimativa é uma produção de 300 mil garrafas de vinhos finos de inverno em 2021. 

Todas essas bebidas foram produzidas a partir da técnica de dupla poda, que consiste na inversão do ciclo produtivo da videira, que altera para o inverno o período de colheita das uvas destinadas à produção de vinhos.

Uma prova da qualidade dos vinhos que têm sido produzidos no Sul de Minas são os prêmios conquistados ao longo dos anos em diferentes competições internacionais. Recentemente, a premiação Decanter World Wine Awards (DWWA) entregou medalhas a 14 rótulos produzidos na Mantiqueira (Minas e São Paulo), sendo três de prata e onze de bronze.

Entre os premiados, está a vinícola paulista Góes, que ganhou mercado com vinhos de mesa, mas agora investe também em produção de produtos finos, contando com parceria com a Epamig. “O brasileiro está valorizando o vinho. Os argentinos e chilenos chegam ao mercado com preço baixo, mas nem sempre eles têm qualidade. Conforme as pessoas vão ganhando memória enóloga, vão aprendendo a diferenciar os produtos e percebendo que, muitas vezes, vale a pena pagar um pouco mais por um vinho de qualidade”, explica a pesquisadora.

 

Poder precificar o produto é uma vantagem

De acordo com Eduardo Junqueira Neto, produtor do vinho Maria Maria, o investimento em vinho é de longo prazo. A plantação do vinhedo teve início em 2009 e vem crescendo ao longo do tempo – de cinco para 21 hectares em 12 anos. A expectativa é de que a produção dobre, chegando a 40 mil garrafas em 2021, e alcance a meta de 60 mil unidades no ano que vem.

Na fazenda Capetinga, em Três Pontas, o vinhedo divide espaço com café e cereais, mas apresenta oportunidades de lucro diferenciadas para os produtores. “Para commodities, o ganho depende da época. Este está sendo um bom ano para cereais. O café também depende do preço do mercado. Já o vinho, eu posso precificar e trabalhar melhor minha margem de lucro. Nós trabalhamos em todo o processo e o preço depende mais da qualidade do produto do que aquele colocado pelo mercado”, explica Eduardo. A qualidade é difundida com prêmios. Maria Maria recebeu medalhas em quatro dos últimos cinco concursos DWWA.

O investimento no negócio é alto e demanda paciência. Segundo Cláudia, somente um investimento em uma adega de 50 mil litros demanda aporte de R$ 1 milhão.

Fonte: O TEMPO

 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.