AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

La Niña pode reduzir chuvas em até 30% e prejudicar ainda mais hidrelétricas



Os técnicos do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) contam com a volta no fim de setembro das chuvas ao centro-sul do país, onde a estiagem neste ano colocou em alerta os reservatórios de usinas hidrelétricas.

Já entraram no radar, no entanto, os possíveis efeitos do fenômeno climático La Niña, a partir de outubro, que poderiam reduzir o volume de chuvas de 10�0% na região.

O fenômeno causa uma alteração periódica na temperatura das águas do oceano Pacífico, o que tende a reduzir as chuvas no centro-sul do Brasil, agravando a seca na bacia do rio Paraná.

O temor é isso ocorrer novamente logo no início do período chuvoso deste ano, o que prejudicaria ainda mais a recuperação da capacidade dos reservatórios da região.

De acordo com o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), os reservatórios das usinas do subsistema Sudeste/Centro-Oeste estão operando em patamares críticos há meses, e a crise do sistema elétrico nacional preocupa analistas.

Dados do Inmet mostram que os estados de São Paulo e Paraná tiveram chuvas abaixo da média desde janeiro. Durante todos os meses deste ano até julho, a maioria dos estados teve um volume menor de chuvas do que no mesmo período do ano passado.

Segundo o meteorologista Cleber Souza, do instituto, há sinais positivos de chuvas recentes na região Sul. Embora não se espere um volume de precipitações acima da média para os próximos meses, a volta da chuva no Sudeste e Centro-Oeste na segunda metade de setembro traria um alívio tanto para os agricultores quanto para o sistema elétrico.

“É difícil prever com exatidão qual seria o impacto exato do La Niña nas chuvas deste ano, mas é um fenômeno que tornas as frentes frias mais fracas e, sem dúvida, é uma fonte de preocupação”, diz Souza.

O cenário de risco energético também preocupa os economistas, que começam a antever os efeitos da falta de água na recuperação da economia.

O Brasil pode entrar em um quadro de estagflação (estagnação econômica com inflação), caso as chuvas não voltem no quarto trimestre, segundo Gabriel Leal de Barros, economista-chefe da RPS Capital.

Para ele, houve uma mudança de postura por parte do governo, que agora reconhece que a situação do setor elétrico é dramática. “O que preocupa é, além do quadro hídrico, o futuro aumento da bandeira tarifária mais cara por parte da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica)”, diz.

Segundo Barros, para não desorganizar o setor elétrico e ampliar o déficit no custeio das térmicas, o novo valor da bandeira será importante para definir o impacto do preço da energia também na inflação do próximo ano.

Na avaliação de Roberto Wagner Pereira, especialista em energia da CNI (Confederação Nacional da Indústria), as medidas possíveis para diminuir o impacto da falta de chuvas no setor já estão na mesa, como contratar mais térmicas e promover um programa voluntário de redução de uso.

“Temos de torcer para que elas funcionem e para que passemos por isso de forma confortável. Não vejo um risco de apagão hoje, mas existe um risco óbvio de racionamento e a gente espera que isso seja suficiente”, diz.

O volume menor de chuvas também preocupa produtores rurais e investidores em commodities agrícolas, avalia o consultor econômico Nicola Tingas, da Acrefi (Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento).

Há um ambiente de deterioração das condições econômicas, afetando desde a produção de manufaturados até a agricultura, que também deve ter quebras de safra, afirma. Segundo ele, com problemas de oferta, pode haver mais um aumento da inflação.

“O conjunto diminui a motivação para investir e há uma desaceleração no ritmo de retomada da economia, com riscos que inibem uma maior taxa de investimento.”

Ele também avalia que o governo poderia ter sido mais veloz nas medidas tomadas para resolver a crise. “O ideal era que algumas ações tivessem sido antecipadas -e o problema agora pode ser maior do que a gente gostaria”, diz.

Nesse cenário, o PIB (Produto Interno Bruto) da agropecuária deve crescer menos neste ano, indica o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), que cortou a estimativa de alta para o indicador em 2021, de 2,6% para 1,7%.

“O pior é a ausência de um planejamento estruturado a médio e longo prazo, já que a as mudanças climáticas tendem a fazer deste um problema frequente”, afirma Rafael Cagnin, do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial).

Ele avalia que o recurso das termelétricas é razoável para contornar o desafio imediato, mas não serve de resposta definitiva, dado que é mais caro, mais sujeito as variações cambiais e sobretudo incompatível com o meio ambiente.

“Esta crise hídrica não é um desafio só para 2021, mas como vamos lidar com ela indica nossa compreensão ou não da emergência ambiental”, diz o economista.

Por FOLHAPRESS


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.