AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

PM é denunciado por furtar carne em açougue de supermercado em Minas Gerais



 Um policial militar foi denunciado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) por ter furtado a carne do açougue de um supermercado em Ipatinga, no Vale do Aço. O crime aconteceu em 2 de novembro do ano passado e foi divulgado pelo órgão na última  quarta-feira (11). Caso seja condenado, ele pode pegar pena que varia de dois a oito anos de reclusão, além do pagamento de multa.

 Além disso, o policial foi processado por improbidade administrativa por agir “em sentido contrário ao decoro exigido pelo seu ofício”. Diante disso, o Ministério Público pediu à Justiça que condene o policial à perda da função pública. De acordo com as investigações conduzidas pela própria PM, o agente foi até o local e pediu dois tipos de carne diferentes a um funcionário. Este entregou duas sacolas diferentes ao policial, que, no setor de hortifrúti, transferiu as carnes para uma única sacola, deixando apenas uma etiqueta.  Em seguida, ela se dirigiu ao caixa e pagou por apenas um dos produtos. 

Como o policial era conhecido pelos fiscais por outras tentativas de furto, ele estava sendo monitorado. Depois de pagar, o agente foi abordado por um segurança que acionou uma viatura da PM.


O que diz a PM

Por meio de nota, a Polícia Militar informou que, ao tomar conhecimento dos fatos, instaurou procedimento administrativo, o qual, ao final, foi remetido ao Ministério Público, que, por sua vez, apresentou a denúncia. Informou ainda que “não coaduna com desvios de conduta e combate veementemente todo e qualquer ato ilícito”.

 Por fim, detalhou que, além do processo criminal no âmbito do Poder Judiciário, ainda tramita na Polícia Militar a fase acusatória do procedimento administrativo, que poderá, garantido o direito à ampla defesa e ao contraditório, ensejar responsabilização na esfera administrativo-disciplinar aos acusados. A promotoria não divulgou os nomes dos policiais que são alvos das ações. A abertura ou não de processo contra eles depende, agora, da Justiça.


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.