AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Reservatório da Hidrelétrica de Furnas tem o pior volume útil para um mês de agosto desde a época do 'apagão', há 20 anos

 


A Represa de Furnas, que a abastece a hidrelétrica de mesmo nome em São José da Barra (MG), está atualmente com o menor volume útil registrado dos últimos 20 anos para um mês de agosto. Conforme dados do Operador Nacional do Sistema (ONS), o volume útil atual da represa é de 18,31%.

Esse volume só não é menor do que foi registrado em agosto de 2001, quando o Brasil passou por um racionamento de energia que atrapalhou a retomada da economia. Naquele ano, durante o mês de agosto, o volume útil da represa chegou a 13,72%, caiu para 12,98% em setembro e só passou a subir a partir de outubro com o início das chuvas, atingindo 28,03% em dezembro.

Nesta semana, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), órgão presidido pelo Ministério de Minas e Energia, afirmou que há uma "relevante piora" das condições hídricas no país. Segundo o comitê, é imprescindível manter todas as medidas em andamento e adotar novas providências para manter os reservatórios das hidrelétricas.

E a situação ainda pode piorar, já que no ano passado, nesta mesma época, a Represa de Furnas estava com um volume útil de 49,27%, ou seja, quase a metade de sua capacidade abastecida. Em seu pior momento, em novembro de 2020, o volume útil de Furnas chegou a ficar em 16,49%, número que já é bem próximo do que está atualmente.

O reservatório da hidrelétrica encontra-se atualmente na elevação 754,97 metros, o que representa um volume útil de 18,31%.

A Eletrobras Furnas ressaltou que a empresa cumpre estritamente as determinações dos órgãos reguladores na operação dos empreendimentos hidrelétricos sob sua concessão. Os níveis dos reservatórios e a energia despachada são programados pelo ONS, responsável por operar o conjunto de reservatórios brasileiros de forma integrada, com o objetivo de garantir a segurança energética.


Abaixo de cota mínima prevista em tombamento

A questão do baixo nível da Represa de Furnas não envolve só a preocupação com a geração de energia elétrica, mas também o uso da água do reservatório para a exploração do turismo e outras atividades econômicas.

Em dezembro de 2020, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais aprovou a Proposta de Emenda à Constituição, que instituiu o tombamento dos lagos de Furnas e de Peixotos, que abastece a Hidrelétrica Mascarenhas de Moraes, como patrimônios imateriais do estado.

O objetivo é que as cotas mínimas do nível das águas sejam estabelecidas e respeitadas, sendo 762 metros para Furnas e 663 metros para a Represa Mascarenhas, mais conhecida como Lago do Peixoto.

Com o atual volume útil, Furnas está hoje com uma cota de 755 metros acima do nível do mar, sete metros abaixo do que é considerado aceitável para a exploração do turismo e outras atividades.

O Sistema Nacional de Meteorologia emitiu alerta na época prevendo que as chuvas deveriam ficar na média ou abaixo dela até novembro e sem previsão de conseguir manter o nível dos reservatórios do país.


Caixa d´água do Brasil

Considerada a maior caixa d'água do Brasil, o lago artificial de Furnas foi criado na década de 1950 para abastecer a Usina Hidrelétrica de Furnas, até hoje uma das mais importantes para a geração de energia elétrica do país.

Na época, várias cidades do Sul de Minas foram inundadas e a população precisou ser deslocada.

 Até hoje, quando a água baixa, é possível reviver o passado e ver ruínas de construções antigas que foram cobertas pela água.


Fonte: G1 Sul de Minas 


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.