AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Suspeita de contaminação do Rio Pará, em Minas



 Indígenas kaxixós denunciam uma possível contaminação do Rio Pará, entre as cidades de Pompéu e Martinho Campos, na Região Centro-Oeste de Minas Gerais. Nos últimos dias, os moradores relatam um aumento da mortalidade dos peixes e a alteração no comportamento dos animais domésticos que bebem a água do manancial, com casos até mesmo de vômito. "São três aldeias que dependem do Pará: Fundinho e Pindaíba, em Pompéu, e Capão do Zezinho, em Martinho Campos.

 A gente fica muito sem entender, porque as pessoas usam esse rio para tomar banho. Também (não se sabe) se podemos ou não continuar a pesca como meio de alimentação e para venda", afirma o estudante Otávio Kaxixó, de 27 anos. De acordo com Otávio, não há relatos de kaxixós com problemas de saúde até o momento. 

"Chegaram informações de uma possível contaminação dessa água. Há probabilidade de garimpo ilegal", diz o indígena. De acordo com Otávio, os kaxixós denunciaram o problema ao Ministério Público Federal (MPF) e à Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa – veja a posição da empresa abaixo). A Prefeitura de Martinho Campos também está ciente do problema (leia mais abaixo). 

 Eles também tentaram contato com a Fundação Nacional do Índio (Funai) por e-mail, mas não houve resposta até a publicação deste texto. A reportagem também procurou o MPF, a Funai e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), mas não houve retorno até a publicação deste texto.


Prefeitura de olho

No último sábado (31/7), servidores da Prefeitura de Martinho Campos estiveram no local para coletar a água do Rio Pará e dar início às investigações. De acordo com o secretário municipal de Agropecuária, Meio Ambiente, Indústria e Comércio, Rodrigo Ribeiro de Freitas, o objetivo é analisar três coletas diferentes para verificar como a água do manancial tem se comportado com o passar do tempo.

 "Está sendo analisado. Está sendo acompanhado. Estamos aqui para abrir uma porta para apurar o que está acontecendo. Não podemos deixar que isso seja em vão", diz o secretário. O material coletado segue para a unidade da Copasa em Nova Serrana, na mesma região do estado.


Frio é hipótese

Em nota enviada à reportagem, a Copasa informou que "a causa exata da ocorrência será determinada somente após a conclusão das análises". Mas adiantou que "trabalha com a hipótese de que o fenômeno ocorreu em função da queda brusca da temperatura na região", diante da frente fria que chegou ao estado na semana passada.

 "A temperatura da água é um dos fatores ecológicos mais importantes para os peixes, sendo que a tolerância a temperaturas extremas depende da espécie, do estágio de desenvolvimento e do período de aclimatação a que os animais foram submetidos", esclareceu a Copasa. A empresa informou ainda que a captação de água de Martinho Campos não tem relação com o Rio Pará.

 Em Pompéu, o abastecimento vem do manancial, porém a água "encontra-se dentro dos padrões de potabilidade exigidos pelos órgãos reguladores".


Fonte: Jornal Estado de Minas


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.