AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Coluna - Luiz Fernando Alfredo

 

Deixamos o evento na ONU para os leitores avaliarem, pois nós que prestamos atenção e comparamos com as outras aberturas, nos anos de  2019  e 2020, deduzimos que, Bolsonaro demonstrou ao mundo, o quanto o Brasil merece respeito dos demais países, pois a exposição feita hoje, foi a continuidade dos temas desde o primeiro encontro, demonstrando que de quando ele recebeu a faixa presidencial até hoje, foi coerente nas suas palavras, suas denúncias, só que nesta terça feira, com todos os avanços que fez no Brasil, consolidou seus feitos, não deixando margem para mentiras e imagens distorcidas. Se deu ao luxo de mostrar até a solidariedade brasileira para com os povos sofridos, em função do regime de governo que enfrentam, criticou socialistas, mostrando que contra as maiores adversidades, ele vem superando muitas dificuldades, e esclarecendo toda a sorte de narrativas criminosas e o mais importante, não se escandaliza com o nome de Deus.

A mídia venenosa mostrou uma manifestação de cinco pessoas na porta do hotel, onde a comitiva brasileira estava hospedada, como sempre, distorcendo; o que ela achou um vexame, brasileiros da comitiva comerem “pizzas” na rua, o tiro saiu pela culatra porque demonstra a simplicidade de Bolsonaro, o que é natural nele; vejam que o presidente não precisa fazer força para ser notado pelo povo.

A mídia malvada não mostrou o presidente ovacionado por dezenas de apoiadores em outros lugares cantando o hino nacional, no entanto eles falam que o Presidente está em queda livre na sua popularidade.

Incrível como a imprensa velha, mercenária contraria a lei do retorno, enquanto os fatos jogam imagens para mídia com bolas verdes e amarelas, de acordo com a democracia e liberdade, estes vagabundos não tem vergonha de dizer que tais bolas retornaram vermelhas e com símbolos de foice e martelo, suástica com cores vermelha preta e branca e os camisas pretas do fascismo, com desenho do machado envolvido em feixes de varas.

Vamos arriscar uma opinião com princípios paradoxais: Hoje no Brasil há uma verdadeira confusão de objetivos dos políticos brasileiros em especial; uns não querem Lula de jeito nenhum, acho até que a maioria esmagadora, outros querem Lula, na esperança de voltar o sistema, que será o início da tragédia da nação, e outros não querem Bolsonaro (esquerda, manipulados pela penetração nos lares das TVs abertas, ultrapassada e desacreditada), no entanto, para fazer do Brasil uma grande mudança, não tem ninguém, nenhum líder capaz de continuar o trabalho que está sendo feito. Grande impasse! Mas temos fé, o Brasil não será socialista, se Deus quiser, pois o conteúdo do programa dos conservacionistas é melhor, mais humano e prima pela liberdade e economia aberta, sem controle estatal.

Queiram ou não, o discurso de Bolsonaro foi de um Estadista, pois ele falou o que mundo precisava ouvir, com a coragem que poucos têm, atualmente.

Acreditamos que o mundo entendeu isto, lógico alguns tiveram que engolir na marra, o discurso de estadista do extra terrestre, capaz de mandar esfaquear a si mesmo. Acreditem, se quiserem, hoje Bolsonaro está sendo acusado de planejar a própria morte em juiz de Fora e ainda de ser um alienígena, ainda bem que não estão falando que ele é do planeta vermelho (Marte).

Tem lógica? Cada vez mais, menos neurônios, mais atitudes birrentas, mais maldades, menos Brasil, mais privilégios e forças estranhas fingem não enxergar o povão, veem apenas o gado vermelho, custe o que custar.

Desculpem se nossas opiniões tentam enxergar apenas o óbvio, salvo engano, não temos medo dos manifestos contrários, só pedimos que àquele (s), que tentam nos intimidar com ameaças violentas, não fiquem anônimos, apareçam e cumpram, nós só temos medo de morrer dando prejuízos de qualquer natureza para os outros, o resto é só sorriso, autenticidade e desejos de boas energias, para todos, sejam amigos ou não.

Que Deus proteja todos os brasileiros!


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.