AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Distribuidoras elevam preço do botijão de gás em 7% para o consumidor



 O gás de cozinha já está custando mais 7% para os consumidores desde a última quarta-feira (1º/9), devido a um ajuste feito pelas distribuidoras do produto, segundo o presidente da Associação Brasileira dos Revendedores de GLP (Asmirg), Alexandre Borjaili. Rumores no setor indicam que a Petrobras também deverá reajustar o preço do combustível, que já acumula 38% de alta no ano.

De acordo com Borjaili, o reajuste das distribuidoras teve como justificativa o dissídio da categoria e inflação. O aumento médio por botijão foi de R$ 5,80, sendo que mais R$ 0,30 foi adicionado em alguns estados pelo reajuste do ICMS no mês passado.

"E há um murmúrio de que a Petrobras vai aumentar também no início do mês", disse Borjaili ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), que discorda do aumento das distribuidoras, considerando que o valor do produto já está muito alto.


Mudança de hábitos 

Helenice Coelho, 44 anos, é dona de casa e moradora de Ribeirão das Neves. Ela conta que compra um botijão todo mês ou a cada um mês e meio.  "No começo de 2020, eu comprei gás por R$ 85 e agora pago R$ 98 à vista. Mas, se precisar dividir de duas vezes, eles cobram de R$ 105 a R$ 110. Daqui a pouco, nós vamos ter que começar a cozinhar na lenha."

Segundo ela, os gastos com o gás de cozinha pesam muito no orçamento da família. 

"Aqui é uma casa com cinco adultos e eu ainda tomo conta de uma criança. Eu faço almoço, jantar e lanche. Não tem correr. Se você compra um produto elétrico para ajudar, como forno elétrico ou fritadeira, usa muito pouco porque a energia está cada vez mais alta. Fica muito difícil." Helenice diz que esse novo aumento no preço do botijão a deixa em desespero. "Eu tenho condições, graças a Deus porque na minha casa meus filhos e meu esposo trabalham, mas e as pessoas que não tem condições?", pergunta. 

"Nós vamos voltar no tempo de ter que fazer um bendito fogão à lenha para cozinhar", completa.  A dona de casa conta que alguns moradores da região já precisaram fazer essa troca. "Minha vizinha de frente faz isso sempre (cozinha no fogão à lenha). Ela é viúva, mora sozinha e cozinha no fogão à lenha na maioria das vezes."

A alta no preço do gás de cozinha já obrigou Helenice a deixar de preparar alguns alimentos, principalmente assados, para economizar.  "O assar aqui em casa é feito muito raramente. Não tem como fazer sempre. Eu penso assim, se eu quiser assar um bolo ou uma carne vou gastar 2 dias de gás. Para fazer um almoço ou um jantar eu gasto mais ou menos uma hora. Uma carne fica no forno, no mínimo 40 minutos para cozinhar e outros 40 minutos para corar. Então acabo deixando de fazer."


Dor de cabeça para o governo 

O preço do gás de cozinha virou mais uma preocupação para o governo de Jair Bolsonaro, que demitiu o ex-presidente da Petrobras Roberto Castello Branco pelos ajustes sucessivos dos combustíveis, inclusive do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP).

Já o atual presidente da empresa, general Joaquim Silva e Luna, deixou de fazer reajustes mensais. O último aumento foi no início de julho, de 3,5%. De acordo com dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio do botijão de GLP de 13 Kg entre 22 e 28 de agosto era de R$ 93,65, sendo que em algumas localidades o produto chega a custar R$ 130,00.


Fonte: Tv Minas.com


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.