AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Opinião com Luiz Fernando Alfredo





 Raciocínio lógico, patriotismo ou desilusão tardia

Esperamos que este ano seja um marco para os brasileiros, iremos às urnas para mantermos o Brasil no rumo que está em termos de gestão conservadora e sem corrupção ou iremos causar o maior retrocesso da história, devolvendo a nação para o comando da esquerda.

Sabemos que uma ideia de poder enterrada junto com “cabeças de burros” que perdura por mais de quarenta anos, espalhadas e manipuladas num país continental, é quase impossível de se combater e mudar, pois são necessários além de muitos argumentos lógicos, o crucial, às imagens que corroboram indiscutivelmente o que de verdade estão fazendo a diferença para melhor - nem tudo aparece - em função dos resultados  obtidos positivamente por não obterem notoriedade a curto prazo, devido às distorções perpetradas pelos antagonistas da imprensa, que além de impor responsabilidades negativas ao mandatário ainda atrapalha a governança, distorcendo os objetivos.

Não se muda quarenta anos em quatro, pode até parecer que certos resultados anteriores,  que de tão maléficos que estavam, confrontado com a atualidade no que tange a ética, probidade, valores morais, gestão e busca  da liberdade pareçam muito diferenciados, pelo menos pelas pessoas de bem, especialmente àquelas que se rebelaram pacificamente e tiraram o poder de direito e não de fato ainda, da esquerda em 2018 e que manifestaram em sete de setembro de 2021 contra as  sabotagens oriundas dos militantes, os quais continuam infiltrados em todos os gabinetes dos três poderes e nos sistemas operacionais institucionais. Ainda não aceitaram a derrota!

Não há como reconstruir um país enorme, em termos estruturais e financeiros antes da ideia de mudança entranhar na cabeça da maioria que valoriza sem desistir, os eventuais benefícios auspiciosos em tão pouco tempo e ainda enfrentando legislativos e governadores sem nenhum compromisso com a vontade do povo, o conservadorismo. Matar o Brasil para atingir um presidente do povo parece mais plausível. Que raciocínio lógico de uma anta!

Querem o poder a qualquer custo juntamente com “status quo ante”, este arremedo de mudanças tão combatidas pelos grandes sócios dominadores do país não serve, o dividendo deles caiu substancialmente, pois neste país acostumado com coronelismo não há missão política e sim profissionais da política numa conjugação verbal vergonhosa de eu, tu e eles que se danem.

O mundo está em perigo constante, encaminhando-se para uma rota indefinida para maioria de seguidores, praticamente de olhos vendados; atentemos para o que acontece na américa latina e a reverberação das narrativas no Brasil de esquerda, juntamente com os novos partidos ativistas mentirosos que é maioria das televisões, rádios e jornais que estão sendo dizimados pelas mídias sociais e falta de dinheiro público.

Assistimos o filme “Don’t Look Up” na Netflix, cujo título em português é “Não olhe para cima” – o filme é um alerta às mudanças climáticas, estrelados por Leonardo DiCaprio e Jennifer Lawrence cuja sátira se desenvolve em torno de dois cientistas desconhecidos que descobrem um meteoro que com certeza irá colidir com o nosso planeta, enquanto os dois protagonistas tem a incumbência de alertar a humanidade, governantes e imprensa, missão esta que não encontraram, a priori, a atenção de ninguém, depois politicagem e falta de seriedade da mídia fizeram atrasar, não conseguindo defender o planeta – tinha até um general oportunista e desinteressado das suas obrigações no meio da trama – enfim chega  a exterminação da nossa terra.

Este filme veio no momento certo para o planeta, pois enquanto brincamos de globalização de socialismo moderno, criação de termos para nominar os que buscaram outras opções de vida, deixando a China, seus idólatras e países oportunistas e  parasitas deslancharem à vontade, com seus atos de banditismos disfarçados, enganando o mundo inteiro e nós enxergando só até onde  os olhos alcançam, desprezando conhecimentos e raciocínios lógicos e ainda sem olhar para às coisas do alto – onde estão o Alfa e o Ômega – nossa vida provavelmente não terá futuro promissor.

Se não lembrarmos do nosso passado, tentando viver apenas o presente fácil, sem almejarmos a felicidade para futuras gerações, nossas lutas serão inglórias, pois para nós o tempo é apenas ilusão. Enquanto sentimos o presente, átimo de segundo após já é futuro misturado com presente e neste emaranhado, ficam nosso passado de lembranças ruins para serem reparados e nosso futuro para ser escolhido com sabedoria.

Deus, pátria, família e liberdade para nós conservadores será a recuperação do tempo perdido

Que assim seja!


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.