AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Venda de antigripais dispara e consumidores relatam falta de produtos



Com o surto de gripe misturado ao crescimento de casos de covid-19, as vendas de medicamentos antigripais nas farmácias dispararam nas últimas semanas. A procura por remédios para coriza, febre e dor de cabeça, muitos comercializados sem receita, triplicou em alguns estabelecimentos, na comparação com o mesmo período do ano passado.

A alta coincide com o surgimento de relatos de pacientes sobre dificuldades para encontrar os remédios em farmácias. Algumas das principais farmacêuticas do País confirmam o crescimento, mas garantem não haver desabastecimento. Por outro lado, a Associação Brasileira das Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) vê faltas pontuais.

Na Ultrafarma, a venda de antigripais neste início de janeiro e no fim de dezembro chega a ser 142% maior do que no mesmo período de 2021. A unidade do Conjunto Nacional, na esquina da Avenida Paulista com a Rua Augusta, região central da capital, estava cheia na tarde desta terça-feira.

O gerente Maurílio Moura contou que a procura por antigripais e xaropes antialérgicos aumentou 130% nos últimos dois meses. Também há grande procura por vitamina C e analgésicos. Com isso, a reposição de estoques é diária. "As prateleiras ficam vazias muito rapidamente."

No caso da Pague Menos, a rede informou ter observado "um aumento relevante nas vendas de produtos da categoria gripes e resfriados em novembro e dezembro de 2021, comparadas com o mesmo período de 2020". Segundo os dados da RaiaDrogasil, desde o início de dezembro a demanda por produtos de combate aos sintomas de gripe chegou a triplicar em alguns casos, no comparativo com os últimos três meses. O Grupo DPSP reportou que a procura por esse tipo de medicamento tem sido mais recorrente nos últimos dias.

"Os médicos estão prescrevendo muitos antimicrobianos e antibióticos e estamos percebendo a falta pontual em algumas farmácias", explica Sérgio Mena Barreto, presidente da Abrafarma "As empresas foram pegas no contrapé. Tudo isso coincidiu com o recesso, quando a indústria costuma dar férias coletivas para os funcionários."

EXEMPLO

É difícil encontrar, por exemplo, o fosfato de oseltamivir, o Tamiflu. O engenheiro químico Mário Bittencourt, de 38 anos, morador da zona leste, buscava o medicamento para o filho que testou positivo para o vírus influenza. Ele contou que foi até três farmácias na Mooca e não encontrou o remédio. Só foi achá-lo na região central. A Roche afirma que a produção, o abastecimento e a distribuição seguem normais, mas reconhece que "a epidemia de gripe em um período atípico do ano confere mais complexidade ao gerenciamento de estoque de parceiros". 

Por ESTADÃO CONTEÚDO


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.