AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Oito suspeitos de integrar facção criminosa ligada ao tráfico de drogas em MG são condenados à prisão



Oito suspeitos de integrar uma facção criminosa ligada ao tráfico de drogas foram condenados pela Justiça à prisão, com penas que variam de seis a 31 anos. As condenações foram divulgadas pelo Ministério Público de Minas Gerais nesta quarta-feira (2). Os suspeitos haviam sido detidos em 2020, durante a Operação Invisíveis, que cumpriu 11 mandados de prisão preventiva nas cidades de Três Corações e Uberaba

Conforme o MP, as condenações foram obtidas por meio do núcleo de Varginha do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em conjunto com a 4ª Promotoria de Justiça de Três Corações. Segundo o Ministério Público, os suspeitos atuavam no Sul de Minas e se dedicavam à prática dos crimes de tráfico de drogas, roubos e comercialização de armas de fogo. 

De acordo com o MP, os réus foram condenados pela prática dos crimes de tráfico de drogas e organização criminosa a penas que variam entre seis anos e um mês a 31 anos e cinco meses de reclusão, além de multa. As penas dos réus, somadas, ultrapassam 130 anos e as multas totalizam aproximadamente R$ 300 mil. Da decisão cabe recurso. 

O Ministério Público explicou que quatro réus ainda respondem pelos mesmos fatos, pois os processos foram desmembrados. 

Operação Invisíveis 

Em outubro de 2020, foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão e 11 mandados de prisão preventiva nas cidades de Três Corações e Uberaba. Na ocasião, participaram das diligências um promotor de Justiça e 46 policiais militares. 

Segundo o Ministério Público, as investigações duraram aproximadamente um ano e culminaram no oferecimento de denúncia contra 12 pessoas pela prática de 39 crimes. 

Durante a investigação, foram realizadas prisões em flagrante, com apreensão de maconha, crack e cocaína. 

Ainda nas investigações, o MP apurou que um dos líderes do grupo, processado e condenado após outra operação do Gaeco de Varginha (Argos), comandava parte das ações do grupo do interior da Penitenciária de Uberaba.


G1 Sul de Minas


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.