AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Coluna Fatos e Versões com Rodrigo Silva Fernandes



 Nome novo? 

As articulações para as eleições deste ano estão em pleno andamento. Um dos maiores grupos políticos de Varginha, liderados por um deputado federal que comanda cerca de 5 partidos e possui vários vereadores em sua base de apoio na cidade está pensando no lançamento de mais um nome para disputar a Assembleia Legislativa. Segundo as conversas de bastidores, o grupo liderado pelo deputado federal em Varginha terá duas candidaturas a deputado estadual que lhe darão suporte de votos. Um dos nomes seria o “influenciador digital” e presidente de partido Cleber Origens que já articula com sua base e deve fazer “dobradinha informar” com o parlamentar federal. Já a presidente da Câmara, vereadora Zilda Silva, é o segundo nome neste tabuleiro. Zilda Silva tem sido estimulada a sair como candidata a deputada estadual, a fim de dar suporte formal a candidatura do deputado federal que tentará a reeleição. Zilda Silva vem fazendo uma boa gestão no Legislativo, embora vez por outra “aparece algum projeto jabuti” para ser votado no plenário da Câmara de Varginha. A movimentação de Cleber Origens e também de Zilda Silva tem o mesmo propósito para 2022, mas com objetivos distintos para 2024. Para 2022, ambos darão suporte eleitoral ao mesmo deputado federal bem como se mostrarão ao eleitorado varginhense, que vem mudando a cada eleição. Já o objetivo dos dois possíveis candidatos para 2024 é bem diferente. Enquanto Cleber Origens deseja neste ano dar um “recall no seu nome nestas eleições para, ai sim, disputar para vereador em 2024. Zilda Silva quer melhorar sua imagem no eleitorado, pensando possivelmente, em consolidar seu nome para integrar uma chapa majoritária ao Executivo em 2024, dependendo dos votos que conseguir agora, como possível candidata a deputada estadual. 


Sustentabilidade 

Já começou a operar a primeira Usina Solar da Prefeitura de Varginha, por meio da Secretaria de Educação. As placas fotovoltaicas foram instaladas na Escola Municipal professor Wanderlei Bueno de Oliveira, no bairro Carvalhos. Com potência de 97 KWp, em seus 222 módulos fotovoltaicos, a Usina tem capacidade para gerar 12.000 Kwh, o que corresponde a 25% do consumo total de energia da Secretaria de Educação, o que vai gerar enorme economia ao governo municipal ao longo dos próximos anos. Outras cinco usinas, de um total de 25, já estão em fase de conclusão das obras. O caminho da sustentabilidade, com uma fonte energética limpa, totalmente renovável é um bom exemplo do governo municipal, que veio influenciado pela iniciativa privada que tem investido neste tipo de tecnologia. Minas Gerais lidera no Brasil em número de projetos de geração de energia fotovoltaica. Certamente este projeto pioneiro será uma das “boas heranças deixadas pelo Governo Verdi”, visto que as placas fotovoltaicas têm garantia média de 10 anos e o retorno do investimento tem sido alcançado em média em 4 anos. A construção de projetos estruturantes que reduzem os custos, com foco na sustentabilidade, miram um novo tipo de administração pública voltada para a modernidade e eficiência do gasto público. Vamos conferir! 


Demora e mais custo 

A novela da obra paralisada de duplicação da MGC 491, que liga Varginha a Rodovia Fernão Dias teve novo capítulo. A estrada MGC 491 que liga a Rodovia Fernão Dias a região de Furnas, passando por Varginha, Paraguaçu e outras cidades precisa de investimentos estaduais, contudo o Governo de Minas não tem recurso, assim, vai entregar a via para concessão pública. Ou seja, a estrada terá melhorias, mas também terá pedágio e uma das praças de pedágio será no trecho inacabado da duplicação, entre Varginha e a Rodovia Fernão Dias. A previsão do leilão dos dois primeiros lotes está prevista para o segundo semestre. Segundo o Governo, houve ampliação de prazos para garantir maior concorrência e permitir que empresas interessadas aprofundem estudos dos projetos. Certo mesmo é que o processo não será finalizado neste ano, ou seja, Zema vai ouvir “impropérios de muita gente quando vier a Varginha pedir votos para sua reeleição”. Além disso, é preciso saber exatamente quando a obra de duplicação será retomada e, principalmente, se a cobrança de pedágio será iniciada antes da conclusão da obra, o que seria uma covardia com o contribuinte! No final das contas, vemos que o benefício de ter uma estrada de qualidade foi adiado e o custo final será maior, pois teremos que pagar pedágio! Difícil será explicar aos muitos contribuintes e eleitores que trafegam diariamente entre Varginha e Três Corações que, além do IPVA, terão que gastar mais! E muito possivelmente, vão começar a pagar pedágio antes mesmo de ter a pista duplicada! 


PIB de Minas cresce 5,1% em 2021, estimado em R$ 805,5 bilhões 

Minas Gerais fechou o ano de 2021 com o Produto Interno Bruto (PIB) com expansão de 5,1% no comparativo com 2020, resultado superior ao brasileiro, cujo crescimento foi de 4,6% no mesmo período. Os principais setores responsáveis pelo aumento do PIB foram Indústria e Serviços. Os dados foram pela Fundação João Pinheiro, responsável pelo cálculo oficial da soma dos bens e serviços produzidos no Estado. O desempenho do PIB de 2021 demonstrou forte recuperação em relação ao ano anterior, especialmente levando-se em conta a pandemia de covid-19, que impactou a atividade produtiva estadual. Em 2020, a queda do PIB foi de 3,9%. Já a estimativa preliminar do PIB do Estado para 2021 totalizou R$ 805,5 bilhões. Do valor total, 61,6% são atribuídos aos serviços; 30,1%, à indústria; e 8,3%, à agropecuária. Considerando-se o último trimestre de 2021, o PIB de Minas Gerais teve resultado 0,4% acima do mesmo período de 2019, antes da pandemia. A indústria de transformação em Minas cresceu 9,4%, com a recuperação da indústria de veículos, metalurgia, segmentos que foram afetados com as medidas mais restritivas da pandemia. A construção civil também teve bons resultados. O crescimento da economia estadual em 2021 foi puxado pela variação positiva no volume de Valor Adicionado Bruto (VAB) da indústria (9,2%) e dos serviços (4,1%). A extração mineral foi a atividade que apresentou a maior expansão no acumulado do ano (15%), seguida pela construção civil, que registrou crescimento de 12% em nível estadual. A indústria de transformação mineira foi outro segmento que conseguiu compensar as perdas no seu nível de atividade, observadas principalmente no segundo trimestre de 2020, tendo encerrado 2021 com uma expansão de 9,4% no volume de VAB em relação a 2020. A atividade de energia e saneamento, por sua vez, apresentou queda de 6,7% no volume de VAB em Minas Gerais em 2021 comparativamente a 2020. Nos serviços, a recuperação no volume de transporte ao longo de 2021 (8,8%) foi um dos destaques setoriais, apesar do resultado negativo observado em Minas Gerais no quarto trimestre do ano (-3,5%). 


Mais gente na disputa? 

No início deste mês foi informado sobre a destinação de R$ 500 ao Hospital Bom Pastor em Varginha para a compra de novos equipamentos. O recurso é federal, oriundo de emenda parlamentar da deputada federal Gleyce Elias, do Avante, mesmo partido do prefeito Verdi Melo. O pedido de recurso à deputada federal para o Hospital Bom Pastor foi uma solicitação dos vereadores Dudu Ottoni e Marquinhos da Cooperativa. Gleyce Elias vem “sondando Varginha a muito tempo”, buscando apoio local para conseguir votos na cidade. Para isso tem liberado recursos federais para aplicação na cidade, por meio de emendas parlamentares. O trabalho de prospecção de apoio de novas lideranças para ampliação de sua base na região é legítimo, tendo em vista que a deputada federal é da região de Patrocínio, e precisa ampliar sua atuação para ganhar mais votos para sua reeleição. Embora a deputada federal seja do Avante, mesmo partido do prefeito Verdi Melo, quem tem liderado as articulações de Gleyce Elias em Varginha é o vereador Dudu Ottoni (PTB). O Avante de Varginha terá um candidato local para deputado federal, será o reitor do UNIS Stefano Gazola, que inclusive deve contar com o apoio do prefeito. Será que Gleice Elias vai tomar votos de Gazola em Varginha, tendo em vista tratar-se, também, de nome novo no cenário político, ser do mesmo partido de Verdi e ainda tem realizações (ainda poucas) na cidade? Será que o vereador Dudu Ottoni (PTB), que deve apoiar a reeleição de Gleyce Elias, e também vai apoiar seu primo Honorinho para deputado estadual em dobradinha com a parlamentar de Patrocínio? Quem mais perde votos com a chegada da nova concorrente? 


Concorrência 

Varginha possui a muitas décadas o Porto Seco local que tem sido um catalizador do desenvolvimento local, facilitando a exportação de café do Sul de Minas e trazendo riquezas para o município, bem como, também permitindo importações de forma menos burocrática para a região. Existem outros municípios mineiros com projetos de conseguirem porto seco. O mesmo ocorre com nosso aeroporto, que possui estrutura moderna, permitindo pousos e decolagens também durante a noite e contando com equipamentos e pista aptas a receber grande aeronaves. A soma dessas duas estruturas trazem uma vantagem competitiva para Varginha, que atrai empresas de comércio exterior e também empresas que precisam de componentes ou exportam produtos de alto valor agregado, que utilizam o meio aéreo. Embora exista uma política técnica para o distanciamento entre aeroportos e portos secos, um projeto audacioso esta em andamento por políticos da região para conquistar um porto seco para a região de Extrema, que mesmo sendo uma cidade bem menor que Varginha, possui robusta estrutura de indústrias e produção de produtos, tendo o maior PIB do Sul de Minas. O vigor econômico da cidade de Extrema, soma-se a produção de produtos eletrônicos de Santa Rita do Sapucaí, que também embora seja menor que Varginha, produz milhares de produtos com alto valor agregado. Santa Rita do Sapucaí faz parte do Vale da Eletrônica mineiro, produzindo nossas urnas eletrônicas, por exemplo!  


Concorrência - 02 

Também na mesma região, encontramos a cidade de Itajubá, com economia crescente, produzindo inclusive helicópteros na fábrica da Helibras, sediada naquele município, que possui diversas outras indústrias. Vale lembrar ainda, que Pouso Alegre é a cidade polo daquela região que envolve Extrema, Santa Rita do Sapucaí e Itajubá, também possuindo ampla malha industrial local. Ambas as cidades estão equidistantes, no máximo, cem quilômetros. Com o diferencial que Pouso Alegre luta politicamente para também possuir um bom aeroporto e vem conseguindo muito apoio político para viabilizar o projeto. Tudo isso somado ao possível Porto Seco que caminha para realidade em Extrema, poderemos ter nos próximos anos a soma de esforços industriais e políticos de 4 cidades com grande potencial de produção e contando com a estrutura de aeroporto e porto seco, igualzinho Varginha já possui hoje e não soma esforços com as cidades vizinhas! Já imaginaram isso no decorrer do tempo? Vejam a importância de Varginha aproveitar a estrutura que já possui a décadas e buscar apoio político e soma econômica e industrial de cidades como Três Corações, Lavras e até Alfenas para garantir a manutenção de sua liderança no meio logístico e aduaneiro. Do contrário, já sabemos quem “vai nos engolir”! 


Mudanças de plano? 

O advogado que candidato a prefeito de Varginha na eleição passada, ex-vereador Zacarias Piva estava convicto de sua candidatura a deputado estadual nas eleições deste ano. No último contato que manteve com a coluna, Piva estava inclusive selecionando o partido que iria se filiar para participar das eleições. O advogado e ex-vereador por dois mandatos também foi presidente da Câmara e conseguiu boa votação nas eleições passadas quando disputou a Prefeitura de Varginha, perdendo para Verdi Melo. Contudo, nos últimos meses Zacarias Piva já andava sumido das articulações políticas, sem participar de conversas entre legendas com foco nas eleições de 2022. Na última semana, uma operação do Gaeco teve como envolvido o ex-vereador. A investigação tratava de supostas irregularidades no presídio de Varginha e alguns servidores públicos foram presos. A coluna não acredita que Zacarias Piva tenha qualquer envolvimento com irregularidades apontadas no caso comandado pelo Gaeco. Contudo, após a operação, curiosamente alguns sites de notícia da cidade replicaram a notícia dando “mais ênfase ao nome de Zacarias Piva que propriamente ao fato investigado pelo Gaeco”. Em alguns deles, o portal ilustrou o texto com foto do ex-vereador que apenas foi citado no texto que tratou propriamente de outros assuntos. Percebe-se uma clara intensão “associar o ex-vereador ao caso”. Será que isso vai ser uma “pá de cal para as pretensões eleitorais de Piva ou o desafio para trazer de volta a disputa alguém que já mostrava sinais de desistência”?




 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.