AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Granizo no cafezal: meteorologista alerta para possibilidade de fortes chuvas nos próximos dias



Uma chuva de granizo que durou cerca de 20 minutos no último final de semana causou prejuízos a cafeicultores em três bairros rurais de Nova Resende (MG). A chuva derrubou frutos, machucou e desfolhou cafeeiros. E o fenômeno ainda pode se repetir em todo Sul de Minas nos primeiros dias de abril. O fenômeno é um dos mais temidos pelos cafeicultores pela sua capacidade de danificar a plantação e prejudicar a produtividade. 

O fato ocorrido no último final de semana durou 40 minutos com intervalos de chuva e cerca de 20 minutos de queda de granizo. O técnico em agropecuária da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), Isnard Batista Reis, contou que cerca de 40 produtores tiveram lavouras de café afetadas pelas chuvas em Nova Rezende (MG). “A chuva afetou as pequenas propriedades dos bairros Taboão, Penha e São João”, explicou. 

Um desses produtores foi Ilário Vicente que possui 196 mil pés de café distribuídos em 45 hectares nos bairros Estiva, Mamono e Boa Vista. Ele contou que a lavoura ficou bem estragada. 

“Até já estou passando foliar para ver se ajuda a cicatrizar. Tenho algumas pessoas jogando foliar com mão e eu de trator. O estrago foi muito grande. O trem foi sério mesmo. Estragou muito. Foram cerca de 21 hectares danificados aqui”, lamentou. 

O produtor disse também que cerca de 12 hectares tiveram apenas desfolha e outros 10 hectares com queda de frutos também. “Onde caiu as folhas e frutos, o trem foi bem mais sério”, falou. 

Além da geada em 2021, outra chuva com granizo já tinha afetado a lavoura há apenas 25 dias. “Vai ser difícil da lavoura recuperar agora porque ela já estava danificada pela primeira chuva. A lavoura tinha pouco mais de um ano em algumas áreas e, em outras, as plantas tinham apenas três meses. De dois a três anos para cá, esse tipo de ocorrência tem sido comum nessa região”, explicou. 

Os prejuízos de Ilário ainda estão sendo contabilizados. 

Danos à lavoura 

O professor e coordenador do setor de industrialização de café do Instituto Federal do Sul de Minas (Ifsuldeminas) em Machado (MG), Leandro Carlos Paiva, explica que o atrito das pedras de granizo pode quebrar os galhos do cafeeiro e também promover a queda de frutos como aconteceu com o cafeicultor Ilário. 

“O granizo rasga a folha e promove injúrias no grão. Quando a pedra acerta o grão, ela pode romper a casca e a mancha que fica acaba oxidando. O café tem uma capacidade de oxidação muito rápida. E esta fresta no grão pode fazer o fruto perder poupa. A abertura deixada ainda pode ser porta de entrada para fungos e contaminação do café. Portanto, esse café vai perder qualidade de bebida”, explicou. 

Leandro detalhou que quando o granizo atinge as folhas, há danos na produção de energia do cafeeiro. 

“Existe perda de produtividade da planta porque a área foliar para a fotossíntese diminui quando as folhas são arrancadas ou rasgadas e os galhos quebrados”, resumiu. 

Quanto ao fruto que cai no chão, o tempo de maturação é que vai definir se ele pode ou não, ser aproveitado. O professor explicou que os frutos verdes não tem aproveitamento. Já os que estão maduros ou quase maduros podem ser aproveitados como os chamados grãos de varreção. 

“Se o grão estiver maduro ou verdolengo (indo do verde para o maduro) ele pode ser aproveitado como varreção. E nessa classificação são enquadrados grãos de baixa qualidade e retorno financeiro”, afirmou. 

Previsão 

A meteorologista Daniela Freitas, do Climatempo, explicou que há previsão de mais chuva forte e mudanças nos próximos dias por causa de uma frente fria que vai avançar pela região entre o dia 31 de março até 2 de abril. Ela falou também que existem condições para a formação de granizo. 

“É preciso ter a formação de um tipo de nuvem chamada de Cúmulo-nimbo para que ocorra granizo. Essa nuvem é de grande extensão vertical com fortes rajadas de vento internas e potencial para formação de gelo”, explicou. 

Daniela falou ainda que quando esse gelo formado na nuvem desprende a barreira da gravidade, ele cai em formato do granizo. 

“Pode acontecer em qualquer época do ano. Está mais favorável agora por conta dessa atividade conectiva muito intensa associada à passagem da frente fria a partir do dia 31 de março. Haverá condições maiores para a formação de nuvens Cúmulo-nimbo porque há potencial de temporal nas regiões do Sul de Minas, Triangulo Mineiro e Zona da Mata”, disse.


G1 Sul de Minas

Foto: Arquivo Pessoal


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.