AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Professores estaduais mantêm greve em Minas Gerais



Professores e servidores da Educação decidiram manter a greve da categoria em Minas Gerais. A decisão foi tomada por aclamação geral durante assembleia realizada na praça da Assembleia Legislativa, na região Centro-Sul de Belo Horizonte.

A categoria está em greve desde o início de março. A principal é a reivindicação do pagamento do piso salarial nacional da educação. Em Guaxupé, todas as escolas estaduais- com exceção da Major Luiz Zerbini- aderiram à greve.

A ALMG aprovou a concessão de 33,24% de reajuste para adequar os salários ao piso, mas o governador Romeu Zema (Novo) decidiu vetar o percentual. Ele sancionou apenas 10,06%, que vale para todo o funcionalismo público.

Os professores presentes na assembleia geral decidiram também fazer uma vigília nos dias que houver reunião de plenário na ALMG. A atividade irá durar pelo menos até o próximo dia 12, quando ocorrerá uma nova assembleia para definir os próximos passos do movimento.

Procurada, a Secretaria Estadual de Educação informou que levantamento feito na terça-feira (5) apontou que 84% das escolas públicas estaduais funcionaram normalmente ou de forma parcial em todo o Estado.

“Com o intuito de preservar e respeitar os direitos dos estudantes e visando alinhar e planejar os procedimentos de reposição de aulas, será elaborado um cronograma para os dias paralisados”, disse a secretaria, em nota.

 

Sem acordo

A assembleia geral da greve da Educação aguardou por algumas horas o término de uma audiência de conciliação entre o governo Zema e o SindUTE no Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

A votação só ocorreu após o fim da reunião, na qual não houve acordo. "O governo não apresentou nenhuma proposta que dialogue com a razão do início da greve, que é o piso salarial. Sem nenhuma proposta que dialogue com que originou a greve, não é possível celebrar nenhum tipo de acordo. Então, a reunião terminou sem entendimento", afirmou a coordenadora geral do SindUTE, Denise Romano, que participou da audiência.

O governo de Minas disse que mantém diálogo aberto com a categoria. "Além disso, foi sancionado pelo Governador Romeu Zema projeto de lei com reajuste salarial de 10,06% para todos servidores públicos estaduais, incluindo os da Educação. O percentual estabelecido é o que a Lei de Reponsabilidade Fiscal (LRF) permite no momento", afirmou o Palácio Tiradentes em nota.


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.