AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Inflação geral em Varginha atinge 1,75% no mês de abril

 


O Índice Municipal de Preços ao Consumidor (IMPC) da cidade de Varginha, cujo levantamento é realizado pelo Departamento de Pesquisa do Grupo Unis e pelo GEESUL, teve alta de 1,75% em abril comparado com o mês de março. Desde o início da pesquisa em julho de 2021 o indicador já acumula alta de 16,42%. Ao considerar somente os quatro primeiros meses deste ano de 2022, a elevação é de 10,04%. 

O IMPC-Unis é um indicador composto por 5 grupos de gastos, sendo eles: Alimentação, Habitação, Transporte, Educação e Comunicação. Estes grupos são compostos por 11 subgrupos e 44 itens que totalizam 503 preços coletados considerando diferentes tipos, marcas e locais na cidade. 

Neste mês o grupo com maior alta foi habitação (4,29%). Os destaques de aumento foram o gás de cozinha (5,41%), produtos de limpeza em geral da residência (5,09%) e itens de higiene pessoal (4,11%). A maior queda ocorreu com a energia elétrica (-13,36%) devido à diminuição da bandeira tarifária de escassez hídrica. O segundo grupo com maior acréscimo nos preços médios foi o transporte com alta de 2,75%. As maiores elevações ocorreram com o etanol (10,02%) e gasolina (1,70%) provocados pela menor oferta e ajustes de preços internacionais e nacionais. O grupo alimentação apresentou alta de 0,18%. Mesmo com as fortes baixas em produtos da cesta básica como tomate (-39,06%) e açúcar refinado (-6,16%), outros itens demonstraram elevações consideráveis como cebola (63,67%), alho (6,56%) e carne de frango (6,39%) influenciando no índice final deste grupo.

O grupo comunicação teve queda de -2,56%, sendo que os planos básicos de telefonia móvel indicaram alta de 1,94% e os planos de internet apresentaram uma queda em seus valores médios de -5,27%. O grupo educação se manteve estável em abril. Os números de abril demonstram que a inflação em Varginha continua persistente e generalizada, porém em um nível menor que no mês anterior. Três grupos apresentaram alta em seus índices gerais (habitação, transporte e alimentação), em um houve queda (comunicação) e outro estabilidade (educação). Tal fato pode ser um indicativo de que a inflação já esteja atingindo o seu ápice e que se espera uma estabilização e queda no decorrer do ano, conforme previsto pelo Banco Central e por analistas de mercado.

 No entanto, ainda é cedo para afirmar que tal previsão vai se concretizar, visto que dependerá de uma melhoria na oferta, entrada mais forte de novas safras de alimentos e a minimização da taxa de câmbio e das incertezas internas e externas. Algumas cadeias produtivas continuam muito impactadas pelo conflito na Ucrânia como a do trigo, da soja e do petróleo e ainda é necessário considerar a nova onda de Covid-19 na China. 

Tanto que a última ata do Comitê de Política Monetária do Banco Central trouxe a afirmação de que “a inflação ao consumidor segue elevada, com alta disseminada entre vários componentes, se mostrando mais persistente que o antecipado”. As altas acumuladas nestes quatro primeiros meses de 2022 em Varginha praticamente já anularam o reajuste do salário mínimo aplicado no início deste ano, comprometendo seriamente o poder de compra dos trabalhadores que recebem essa remuneração. Caso a previsão do Banco Central de queda na inflação nos próximos meses não se confirme, novas ações se farão necessárias visando o controle dos preços através das políticas econômicas.


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.