AS ULTIMAS


POLÍTICA

COLUNAS

ESPORTES

Opinião com Luiz Fernando Alfredo - 02/08/2022


 

Porque somos omissos

Na nossa terra natal ouvíamos sempre esta expressão: “Que sujeito mais entrão”! No dicionário não existe, daí, analisamos, quando se exclamava assim e concluímos que era para adjetivar, negativamente, o indivíduo que se metia onde não lhe cabia, indivíduo espaçoso e até em regra geral, mal-educado.
Lógico que podemos classifica-la como neologismo, contudo, podemos também, classificarmos o “entrão”, se quisermos mitigar, como indivíduo que toma às dores de outrem, quando para defender alguém ou alguma causa comunitária, a bem da justiça social. Mas, para classificarmos essas atitudes, não precisamos do “entrão”, basta classifica-lo como indivíduo que gosta de ver prevalecer a justiça, indivíduo que ama o próximo, ou seja, íntegro, honesto, justo – adjetivos de grande abrangência.
Gostamos do “entrão” por ser politicamente incorreto; uma espécie de antônimo de omisso...omissão, que é o defeito mais grave de todos nós seres humanos; omitir-se é cômodo, fácil, tranquilo, mas não deixa de ser meio desonesto ou estamos exagerando? Afinal, “a lei do menor esforço” não é o jeito “mais bão” de se viver? A despeito de sermos espertos, terceirizarmos para outros poucos, “brigarem” por nós e, se não ficar “bão pra nois”, a gente xinga, vaia e depois acostuma; não é “mais mió de bão”? 
Achamos válidas estas pitadas de cinismo, pois, estamos vivendo num país de muitos cínicos, onde impera à omissão da maioria dos empoderados, endinheirados, mentirosos da imprensa, doutrinadores e cegos que não querem enxergar o óbvio. 
Estamos na esperança dos acontecimentos do próximo sete de setembro, onde comemoraremos os duzentos anos de independência do Brasil, nossa independência, contudo, ainda dependentes de quem tem força política, mas, ainda carregam um “pecado irreparável”, o da omissão.
Com todo cinismo do mundo fala-se em democracia, sem que haja atitudes democráticas, por parte daqueles que estão, visivelmente, fingindo serem democráticos.
O Chefe da nação clama por liberdade, democracia, Deus, preservação da família, soberania nacional, direito do nascituro  viver, há mais de quatro anos, desde a sua candidatura e, com essas propostas, foi eleito com mais de 58 milhões de votos.
Muitos acharam que ele não cumpriria suas promessas de campanha e logo se juntaria aos políticos acostumados com o sistema podre de baixo do tapete, que apareceu logo após o mensalão, petrolão, enfim à corrupção desenfreada dos partidos comandados pela esquerda e por àqueles outros partidários que aderiram ao devastamento do país.
Erraram! Jair não saiu da linha, cedera em algumas coisas para tornar o país governável e realizar às reformas que foram possíveis e que permitiram deixar o Brasil mais livre dos efeitos da pandemia e da guerra, destacando-se no cenário mundial.
O Jair foi, desde a sua posse, malhado com extrema covardia e mentiras que atribuíam a ele, barbaridades jamais propagadas neste país; imprensa, políticos desmamados, empresários que perderam à sociedade com o governo, banqueiros que assaltavam o povo, e o poder estabilizado que amava o jeitinho corrupto, fácil de fazerem às coisas acontecerem e traidores que elegeram na sua carona, não tiveram nenhuma clemência.
A Suprema Corte interferiu no Executivo desde o início do governo, impedindo o ciclo de governabilidade e demonstrando aos poucos que Jair Messias Bolsonaro não era “persona grata” no Palácio do Planalto.
Deixando os sabotadores da República, Rodrigo Maia, David Alcolumbre, Rodrigo Pacheco (maria-mole), a CPI da vergonha e a maioria dos governadores compuscado por João Dória, de lado, vamos analisar, sinteticamente, a situação atual. Só para constar; todos este indivíduos (inclusive os membros da CPI), rede globo, CNN, jornais, rádios tradicionais, partidários traidores e ex-ministros “atiradores” estão desacreditados e na “rua da amargura”. Seria a lei do retorno, mistificada pela física quântica? Jair, onde estão todos àqueles te acusaram injustamente?
Vamos falar do tão controvertido e temido pelos esquerdistas, que querem um país comunista – artigo 142 da CF – “As forças armadas constituídas pela Aeronáutica, pelo Exercito e pela Marinha são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, destinam-se à defesa da pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”.
A desordem está entre os três poderes: Executivo não se entende com o Judiciário (devido ao ativismo político de alguns Ministros) que seletivamente punem os ditos bolsonaristas, sob os auspícios do Senado e da Câmara Federal - para não contrariar o STF - aceitam seus desrespeitos à lei e à ordem constitucional; também, como julgarem àqueles que tem um renca de parlamentares nas gavetas. 
Como está estabelecido que o Presidente é o chefe das Forças Armadas, estando o Executivo e judiciário se estranhando, cabe a quem invocar o artigo 142?  O povo na qualidade de mandante pedindo aos mandatários (Presidente, Senadores e Deputados) à mediação e medidas que melhores aprouverem ao país? Estão ai às omissões da lei, dos especialistas e dos empoderados.
Que golpe os esquerdistas estão prevendo e gritam histérica e exaustivamente, atribuindo a Bolsonaro tal intenção? O de pedir à fiscalização das urnas? Se elas, às urnas, são confiáveis por que rechaçaram essa possibilidade? Se às pesquisas colocam Lula muito a frente, medo do que eles tem? Talvez essas pesquisas sejam equivocadas e, não há outra saída corretamente democrática para os esquerdistas sem escrúpulos. É hilário, os socialistas vivem cometendo “sincericídio”, tipo “eleição não se ganha se toma”, “vamos tomar o poder é questão de tempo” “vamos continuar amigos de Cuba, Venezuela e (...)”, “casamento é coisa retrógrada” “vamos intimidar parlamentares em suas casas”, “vamos controlar a imprensa” e outros; e querem que todos ouvem, se calem e digam, amém... amém...amém? “Nóis não come mortadela estragada mais não, fais mar até pro pensamento”! Depois de Jair, isso já era, acordamos!
Para nós que usamos sempre a lógica, o xis da equação não é uma incógnita, a resposta parece clara, só que ninguém ousa falar, seria prudência, omissão ou falta de um entrão? Digamos que seja, eles estão receosos, mas o povo unido não!
Tardiamente, alguns consagrados juristas, operadores do direito e senadores estão se manifestando contra aos abusos, mas e daí? 
Que Deus salve o Brasil do comunismo e que haja paz e harmonia! 


 
Todos os Direitos Reservados - Notícias do Renan © 2017
Desenvolvido por: Renan Lenzi.