top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

5 motivos que explicam porquê o Botafogo não depende mais de si para ser campeão


Reprodução

Foram 207 dias tendo controle sobre o próprio destino em relação ao título do Brasileirão. Desde o dia 30 de maio, após a vitória por 3 a 2 sobre o Flamengo, o Botafogo dependia apenas de si para ser campeão nacional. Isso acabou nesta quinta-feira, com o empate contra o Fortaleza, que confirmou a liderança ao Palmeiras após todos os clubes terem 34 jogos disputados.
O clube carioca chegou a abrir 13 pontos de vantagem na liderança na virada do turno, mas viu este buraco ruir na segunda metade do campeonato. A queda de produção não é de hoje, tanto que várias mudanças no cargo foram feitas no campeonato.
Defesa
Um dos principais expoentes no histórico primeiro turno, o sistema defensivo teve uma queda drástica na segunda metade do Campeonato Brasileiro - e principalmente nos últimos jogos.
O time levou 16 gols nos últimos oito jogos, número maior do que o primeiro turno inteiro, quando foi vazado 11 vezes em 19 oportunidades. Nomes que se destacavam, como Cuesta, Lucas Perri e Marçal, caíram de rendimento. Consequentemente, o coletivo ruiu.

Queda de Tiquinho
Artilheiro e principal jogador do Botafogo na primeira metade do ano, o camisa 9 não tem sido tão perigoso na reta final da competição. O atacante marcou apenas três vezes no segundo turno - foram 13 bolas na rede na metade inicial.

Eduardo sumido
Outra parte fundamental para o ataque do Botafogo, Eduardo também pouco tem aparecido nos últimos jogos. O camisa 33 chegou a ser barrado do time titular por Lúcio Flávio no clássico contra o Vasco, em 6 de novembro.
Um dos melhores meias do Brasileirão no primeiro turno, Eduardo apresentou apenas "flashes" do bom desempenho na metade final da competição, como nas partidas contra Palmeiras e RB Bragantino.

Trocas no comando
A falta de planejamento fora de campo também influencia dentro das quatro linhas. Desde a saída de Luís Castro, o Botafogo teve mais quatro treinadores - Tiago Nunes, que estreou justamente contra o Fortaleza, é o nome da vez.
Após a passagem interina de Cláudio Caçapa, Bruno Lage foi o escolhido por John Textor para assumir o cargo. O português, contudo, teve problemas com o elenco e foi demitido após pedido dos jogadores. Lúcio Flávio, então auxiliar permanente, foi movido a comandante principal e teve duas vitórias em oito jogos, sendo demitido depois. Tiago Nunes, inicialmente um nome para assumir em 2024, chegou em acordo para adiantar o compromisso.

Falta de psicológico
Como explicar duas derrotas de 4 a 3 após ter vantagens confortáveis no placar? O Botafogo sofreu viradas significativas em curto intervalo de tempo. Primeiro, para o Palmeiras após abrir 3 a 0 no primeiro tempo; depois, para o Grêmio, com 3 a 1 ainda no começo da etapa complementar.
Em ambas as oportunidades, o time se desligou e deixou de ameaçar, abdicando de ter a bola no campo ofensivo e deixando espaços na defesa, após abrir a vantagem.
Fonte: Globo Esporte


bottom of page