top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

A tendência de 'Justiça' com as próprias mãos desafia polícia na era da influência nas redes sociais


Foto: Redes Sociais (imagem da esquerda) e Freepik (imagem da direita)


Foi por um vídeo compartilhado nas redes sociais que um morador de Copacabana, no Rio de Janeiro, convocou parceiros para formarem, juntos, um grupo de “justiceiros”. “Ninguém vai fazer nada?”, questionou o homem, com indignação a recentes furtos e roubos. O caso que chamou atenção não é tão incomum quanto parece. Um dos poucos estudos sobre linchamento no Brasil chegou a conclusão que, no país, ocorre pelo menos um linchamento ou tentativa por dia. Em 60 anos, desde 1.955 até 2015, 1 milhão de brasileiros fizeram parte de retaliações na posição de agressores – 16,6 mil ao ano. Mas, segundo especialistas em segurança pública, uma mudança ocorreu nos últimos anos: a busca por justiça pelas próprias mãos ganhou espaço nas redes sociais, onde os “justiceiros” viram influencers.

O estudo é do sociólogo José de Souza Martins, professor aposentado da Universidade de São Paulo (USP), chamado “Linchamentos: a justiça popular no Brasil”. Segundo o especialista em segurança Jorge Tassi, as retaliações são um tipo de “vingança privada” e podem ocorrer de formas diferentes. Ele explica que os linchamentos diários estão mais ligados a reações imediatas. “É o linchamento provocado por um fato. Um homem decide roubar um ônibus cheio, e as pessoas não o deixam sair e o agridem. Esse é um dos mais comuns, quase rotina. É um comportamento de massa. A pessoa não reagiria se estivesse só, mas, com outros, joga na rua, espanca e foge”, afirma.

Foi o que aconteceu, por exemplo, em novembro deste ano em Belo Horizonte. Um homem de 43 anos foi agredido por passageiros do ônibus da linha 1505 (Alto dos Pinheiros/Tupi) dentro do coletivo. O linchamento começou depois que as pessoas perceberam que o suspeito estava assediando uma mulher.
O assédio sexual gerou um dos casos mais graves em 2023 em Minas Gerais. Em julho, um homem de 55 anos foi morto após ser linchado por moradores do bairro Senhora de Lourdes, em Governador Valadares, na região do Rio Doce. As agressões foram praticadas por várias pessoas após o homem mostrar o pênis em uma rua do bairro. O caso, então, passou a ser investigado como homicídio pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG).

Fazer justiça com as próprias mãos é crime?
A PCMG afirma que o crime de "fazer justiça pelas próprias mãos, para satisfazer pretensão, embora legítima, salvo quando a lei o permite" é descrito no artigo 345 do Código Penal. A pena é de detenção de quinze dias a um mês ou multa, mas o suspeito pode responder por outros crimes mais graves “tais como lesão corporal e tentativa de homicídio”. A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) não tem dados disponíveis de linchamento em Minas Gerais.

“É um comportamento de massa. Não é do João, da Fernanda, mas do grupo. É a ideia de que se está todo mundo batendo, também vou dar um chute. Em alguns casos, as pessoas envolvidas vão até mesmo se arrepender”, acrescenta Tassi.
Mas quando a vontade de fazer “justiça” alcança as redes sociais e acontece de forma programada, chega-se a uma nova forma de linchamento, explica o também especialista em segurança Arnaldo Conde: “entra em um lugar de anomalia social, de descontrole. É uma experiência, praticamente, de estado sem lei. Uma consequência que chega à rua de uma deterioração da segurança do Estado”.

A repercussão nas redes, nesses casos, funciona como um estimulante. A cada postagem de incentivo à retaliação, mais pessoas começam a acompanhar – como um movimento de massa, mas online. “Nessa questão de rede social, além do crime, há uma dose imensa de narcisismo. A internet estimula o individualismo. Foi criada uma figura do justiceiro. Alguns, ficam até famosos. E hoje as pessoas se sentem no direito de repetir qualquer ato que vêem online”, alerta.

Fake news e preconceitos são agravados na influência por vingança
Um dos perigos da busca por justiça fora dos órgãos de segurança do Estado, de acordo com Jorge Tassi, é a culpabilização imediata de alguém que ainda não foi julgado, principalmente na era das fake news.

“É aquilo que parte de uma ficção. Às vezes, não existe o fato, ou a pessoa culpada não é aquela. Isso já é um processo de barbárie, e parte de duas coisas: da cultura de relativizar tudo, própria da sociedade, e do comportamento de massa. Alguém fala que foi roubado por fulano, e um grupo imediatamente se mobiliza contra ele. Quando vai ver, não era o suspeito, e já é tarde demais”, diz.
Fonte: O Tempo
bottom of page