top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Acusada de desobedecer a polícia, Greta Thunberg é julgada em Londres

A ativista ambiental sueca Greta Thunberg fez um apelo, na quinta-feira (1º), à identificação do "verdadeiro inimigo" do meio ambiente, ao fim do primeiro dia de seu julgamento em Londres por "perturbação da ordem pública" durante uma manifestação em outubro.
"Ativistas ambientais são processados em todo o mundo por atuarem de acordo com sua consciência. Temos que relembrar quem é o verdadeiro inimigo", declarou Thunberg, de 21 anos, ao deixar o Tribunal de Magistrados de Westminster, no centro da capital britânica.
Durante a audiência, a primeira de um julgamento de dois dias, o promotor Luke Staton afirmou que a ativista perturbou a determinação pública de não bloquear as ruas durante um protesto contra o Energy Intelligence Forum, que ocorria em um hotel no distrito de Mayfair, em Londres, onde estavam os diretores das principais companhias de gás e petróleo.
"Ela disse que ficaria onde estava e, por isso, foi presa", explicou Staton.
Em uma audiência preliminar em novembro, em outro tribunal londrino, a ativista se declarou inocente. A jovem sueca, que ficou mundialmente conhecida desde suas "greves escolares pelo clima", iniciadas quando ela tinha 15 anos, pode receber uma multa de até 2.500 libras (R$ 15,7 mil na cotação atual) pelos fatos que lhe foram imputados.
Um total de 26 pessoas, incluindo ela, estão sendo processadas pelo mesmo motivo. Todas foram detidas durante o mesmo protesto.
Nesta quinta-feira, a jovem não escondeu um sorriso irônico quando o promotor Staton explicou que os acusados protestaram justamente quando os principais atores do setor de petróleo e gás estavam "discutindo e debatendo" como desenvolver "soluções sustentáveis" para a energia.
"Mensagens contraditórias"
Ao chegar ao tribunal, os ativistas processados foram recebidos por apoiadores de organizações ambientalistas, que parabenizaram Thunberg, erguendo cartazes com frases como "Londres livre dos combustíveis fósseis" ou "O protesto climático não é um crime".
Maja Darlington, uma militante do Greenpeace do Reino Unido, disse que os ativistas estavam sendo julgados "por protestar pacificamente", enquanto os executivos do petróleo estavam "comemorando ganhar bilhões com a venda de combustíveis fósseis que destroem o clima".
"Atrás dessas portas fechadas (...), políticos sem escrúpulos fazem acordos com lobistas do destrutivo setor de combustíveis fósseis", declarou Greta em 17 de outubro, antes de ser detida e levada em uma van da polícia.
Mais tarde, foi libertada sob fiança e no dia seguinte participou de outro protesto em frente ao mesmo hotel.
O governo britânico concedeu, depois dessas manifestações, várias novas licenças para exploração de petróleo e gás, a fim de fortalecer a independência energética do país - uma das prioridades do primeiro-ministro conservador Rishi Sunak.
Fonte: O Tempo

Comments


bottom of page