top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

ANP interdita Barragem da Vale em Mariana e 300 pessoas podem ser evacuadas da área

Nos documentos, a agência classifica a situação das estruturas como em 'risco iminente'.


Dique Permanente I, em Mariana. — Foto: M.Rosa/Vale

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) instaurou inquérito para investigar a interdição de três estruturas da Vale pela Agência Nacional de Mineração (ANM) em Mariana, Região Central, na última sexta-feira (10). O fechamento foi ordenado por problemas de estabilidade.

De acordo com a ANM, a Pilhas de Estéril (PDE) Permanente I, Permanente II e União Vertente Santa Rita, na Mina da Fábrica Nova, foram interditadas após detecção de problemas na estabilidade física e nos sistemas de drenagem. Nos documentos, a agência classifica a situação das estruturas como em "risco iminente".
A estimativa é que 295 pessoas vivam na área que fica abaixo das barragens e que podem ser atingidas em caso de acidente ou rompimento — a chamada zona de autossalvamento (ZAS). Essa população vive no distrito de Santa Rita Durão. Ainda segundo a ANM, esses problemas na estrutura podem ocasionar incidentes semelhantes ao que atingiu o dique da Mina Pau Branco, em Nova Lima, na Grande BH. Em janeiro de 2022, a estrutura transbordou e o material se espalhou pela BR-040.
"Se o mesmo ocorrer nestas estruturas, não teremos um problema com uma rodovia e sim com 295 pessoas residentes na ZAS", diz o trecho do texto.

Localização das estruturas interditadas — Foto: ANM/Reprodução
Fiscalização nesta tarde Na tarde desta segunda-feira (13), a Defesa Civil de Mariana, a Defesa Civil Estadual, o MPMG, a ANM e a Fundação de Meio Ambiente de Minas Gerais farão uma fiscalização conjunta das estruturas. A decisão de retirar ou não os moradores de casa será tomada após essa vistoria. Até o momento, todos seguem em nas residências.
O laudo foi feito por uma empresa terceirizada em 2020 e protocolado em setembro deste ano. As instituições verificarão se a estrutura continua da mesma forma.
Para retomar as atividades, a Vale precisará apresentar um laudo de estabilidade para os órgãos fiscalizadores.
Em nota, a Vale confirmou a interdição e diz que acompanhará as vistorias agendadas para esta segunda-feira. Diz, ainda, que "as estruturas geotécnicas da companhia são vistoriadas frequentemente pela agência reguladora e monitoradas permanentemente por equipe técnica especializada".

FONTE:G1

Comments


bottom of page