top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Armas furtadas de quartel da PM em Muzambinho (MG) ainda não foram recuperadas: 2 suspeitos presos


Granadas, fuzis, rifles, munições: armas furtadas de Quartel da PM ainda não foram recuperadas. Foto: Reprodução/EPTV
Fuzis, granadas, rifles, e uma variedade de outras armas foram furtadas após a invasão ao quartel da Polícia Militar de Muzambinho (MG) no meio da semana passada. Até o momento, essas armas, junto com munições, rádios e equipamentos de gravação de vídeo, ainda não foram recuperadas.

Os dois suspeitos responsáveis pelo roubo foram detidos. Um deles, um sargento da ativa da PM, foi preso na quarta-feira (7), dia do crime, enquanto o outro foi capturado no último sábado (10) após investigações policiais.

O trabalho de inteligência da polícia agora está focado na localização do armamento levado do quartel. Entre os itens furtados estão 2 fuzis, 2 rifles, 2 espingardas, 1 revólver, 7 pistolas, 7 granadas e 500 munições, além de rádios comunicadores e equipamentos de gravação de câmeras de segurança.
Os detalhes sobre como os suspeitos conseguiram entrar no quartel para realizar o roubo ainda não foram divulgados pela polícia.

O furto foi descoberto por volta das 6h de quarta-feira, quando policiais chegaram ao quartel e perceberam a invasão. Uma grande operação envolvendo dezenas de policiais de várias cidades foi montada para identificar os suspeitos e recuperar as armas, com apoio inclusive do helicóptero da Polícia Militar.

O primeiro suspeito foi detido na noite da própria quarta-feira, sendo identificado através das roupas usadas no crime, encontradas em seu carro. O segundo suspeito, um homem de 39 anos, foi localizado e preso no sábado. Ele foi encontrado enquanto retornava para Muzambinho, após a polícia rastrear um veículo alugado por ele para negócios em São Paulo. Durante a abordagem, o suspeito estava com uma arma, mas não foi confirmado se era uma das armas furtadas do quartel. Ele afirmou que o armamento levado teria sido levado para São Paulo.

Comentários


bottom of page