top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Blogueira é condenada a 30 anos de prisão por encomendar ataque para deixar ex em coma; vítima morreu

A blogueira Isabela Gomes Pereira, conhecida como Isa Gomes, de 29 anos, condenada a 30 anos de prisão por ter encomendado "um susto" que causou a morte do ex-namorado dela, se apresentava nas redes sociais como uma pessoa "forte, mas ao mesmo tempo sensível".

Segundo as investigações, Isa queria dar "um susto, a ponto de deixá-lo em coma, no hospital". O crime ocorreu no dia 28 de junho de 2022, em Contagem, na Grande BH. A Justiça condenou a blogueira e outros três homens por envolvimento no crime.

A mulher costumava mostrar cosméticos para venda e se apresentava como criadora de um procedimento estético para boca.

Além de divulgar produtos, a blogueira também gostava de postar frases motivacionais para os seguidores.

Morto por asfixia

De acordo com a Polícia Civil, Leandro Rezende Morais, ex-namorado da blogueira, foi morto por asfixia, após ter a casa invadida por três homens: Henrique Francisco Ramos Flores, Sinval Júnio Alves Faria e Vitor Ferreira Gabriel.

A influenciadora estava inconformada com o fim do relacionamento e planejou o crime por vingança, com a ajuda dos suspeitos. Todos eles foram indiciados.
Os levantamentos apontaram que a blogueira seguiu o ex-namorado até uma praça do bairro Mangueiras, na Região do Barreiro, em Belo Horizonte, onde encontrou os três homens. A polícia afirmou que ela convenceu os suspeitos a participarem do crime.

Ainda conforme as investigações, Isa Gomes solicitou ao trio que invadisse a casa de Leandro Rezende Morais, o ex-namorado, durante a madrugada. O objetivo era dar "um susto, a ponto de deixá-lo em coma, no hospital". Ela também afirmou que eles encontrariam objetos de valor no local, como ouro e dinheiro em espécie, que poderiam ser divididos entre eles.

De acordo com a polícia, Isa buscou os suspeitos no próprio carro e seguiu até o endereço da vítima. Um deles pulou o muro e abriu o portão para os demais. Leandro foi surpreendido enquanto dormia e agredido asfixiado até perder a consciência. Em seguida, a mulher e os outros suspeitos deram chutes na vítima.

Diversos objetos de Leandro foram levados: celular, televisor, perfumes, tênis, roupas, caixas de som portáteis e um carro avaliado em R$ 97 mil.

O ex-namorado de Isa teve as mãos amarradas com uma extensão elétrica e asfixiado com o cabo de um circulador de ar.

Brigas em relacionamento conturbado

Desde 2021 há registro de boletins de ocorrência envolvendo o ex-casal. Em setembro do mesmo ano, Isabela procurou uma companhia da PM afirmando que havia sido agredida por Leandro com um tapa no rosto e puxões de cabelo.
O homem negou as agressões e disse à polícia que a mulher foi até a padaria em que ele trabalhava e o ofendeu dizendo: "Você é um vagabundo, traficante, ladrão de carga". Logo depois, ela entrou no carro dele insistindo para conversar.

Em abril deste ano, Isabela procurou a polícia para informar que, ao passar na frente de um restaurante da Pampulha, viu o carro do ex-namorado estacionado.
Ela entrou no estabelecimento e o viu com outra mulher, momento em que quebrou um copo na mesa dele e ainda arranhou o carro de Leandro. A blogueira disse à polícia que os dois se agrediram, o que causou escoriações no braço e mão dela.

Dias depois foi a vez do homem registrar um boletim de ocorrência em que contou o que tinha acontecido no restaurante e que, na confusão do lado de fora, Isabela pegou a carteira dele, saiu correndo e, desde então, se recusava a devolver.

Segundo a Polícia Civil, "o inquérito instaurado em setembro de 2021 apurava fatos de violência doméstica praticados supostamente por Leandro Rezende Morais. Com o falecimento do suspeito extingue-se a punibilidade e o procedimento segue para o judiciário".

Condenação

Em audiência na última quinta-feira (4), o juiz Marco Paulo Calazans Guimarães, da 2ª Vara Criminal da Comarca de Contagem, julgou procedente a denúncia formulada pelo Ministério Público para a condenação dos investigados por roubo majorado, que é a forma mais agravada de um roubo simples — quando envolve agressão e outros tipos de violência contra a vítima. Neste caso, o roubo culminou com a morte da vítima.

Durante o julgamento, a influenciadora digital negou que foi responsável pelo assassinato de Leandro, mas confessou que prometeu R$ 5 mil aos suspeitos para que dessem um "susto" nele. Ela alegou que o ex-companheiro a agrediu e extorquiu no relacionamento que tiveram.

Para deferir a pena para cada um dos envolvidos, a Justiça considerou, também, que a vítima tinha um filho de apenas cinco anos de idade. Também foi negado o direito dos réus responderem em liberdade.

Isa Gomes, como mandante, foi sentenciada a 30 anos de reclusão. A Justiça considerou que o crime foi cometido por motivo torpe, e que a condenada demonstra "uma maior periculosidade", já que ela planejou o crime e envolveu outras três pessoas, impossibilitando a defesa da vítima.

Henrique Francisco Ramos Flores, foi sentenciado a 22 anos e meio. A Justiça entendeu que o réu não tem antecedentes criminais e não havia nenhuma motivação. No entanto, a "maior periculosidade" também foi levada em consideração, já que o crime foi cometido com outras três pessoas, impossibilitando a defesa da vítima.

Sinval Júnio Alves Faria, sentenciado a 22 anos e meio. A Justiça entendeu que o réu não tem antecedentes criminais e não havia nenhuma motivação. No entanto, a "maior periculosidade" também foi levada em consideração, já que o crime foi cometido com outras três pessoas, impossibilitando a defesa da vítima.

Vitor Ferreira Gabriel, sentenciado a 22 anos e meio. A Justiça entendeu que o réu não tem antecedentes criminais e não havia nenhuma motivação. No entanto, a "maior periculosidade" também foi levada em consideração, já que o crime foi cometido com outras três pessoas, impossibilitando a defesa da vítima.
O que diz a defesa

"A defesa de Isabela Gomes informa que já recorreu da referida decisão por intermédio de recurso de apelação criminal, posto que a condenação foi desproporcional à conduta praticada pela acusada e contrária à prova dos autos", afirmou o advogado Mauro Pereira de Abreu.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa dos outros acusados.

Fonte: G1

bottom of page