top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Bolsonaro evita se explicar sobre joias e diz que prisões visam delação


Michelle e Jair Bolsonaro entraram na mira da Polícia Federal em operação que investiga escândalo das joias sauditas recebidas pelo ex-presidente (foto: Evaristo Sá/AFP)



Mais de dois dias após uma operação da Polícia Federal contra aliados e de ser alvo de pedido de quebra de sigilos no caso das joias, Jair Bolsonaro (PL) evitou se explicar em redes sociais sobre as suspeitas.

A postura de discrição, destoante da adotada por ele em momentos anteriores, se dá depois de a PF pedir a quebra dos sigilos bancário e fiscal dele e da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro na investigação do caso.

Em uma entrevista ao canal bolsonarista Te Atualizei, divulgada neste domingo (13), mas gravada no dia 1º, Bolsonaro reconheceu a possibilidade de ex-auxiliares serem culpados, mas disse que as prisões deles visam atingi-lo e forçar delação.
"Tenho dois auxiliares meus diretos presos há 90 dias, tem dois [auxiliares] que não eram diretos meus, mas estão presos ainda, são da ativa: o [Mauro] Cid e o sargento [Luis Marcos dos] Reis, cuja punição, se fossem culpados, podem até ser, não sei, não seria passível dessa preventiva que estão sofrendo agora. Um objetivo é uma delação premiada e outro [objetivo] é me atingir", afirmou no vídeo veiculado neste Dia dos Pais.

Na entrevista, ele também criticou o governo Lula (PT), exaltou o legado de sua gestão na economia e falou sobre a transferência de dinheiro via Pix feita por seus apoiadores.
Na manhã deste domingo, Bolsonaro voltou a fazer uma publicação em redes sociais, mas ignorando o assunto das joias. Ele postou um vídeo com imagens de familiares e uma saudação de Dia Dos Pais. "Um Domingo repleto de momentos inesquecíveis a todos!", escreveu. No sábado (12), publicou um vídeo abraçando uma criança e desejou "bom sábado a todos", ignorando as diligências cumpridas contra seus aliados na sexta-feira (11).
O pronunciamento de Bolsonaro sobre as suspeitas da PF foi feito apenas por sua defesa, que lançou nota afirmando disponibilizar às autoridades a movimentação bancária do ex-presidente e ressaltando que ele "jamais apropriou-se ou desviou quaisquer bens públicos".

fonte: Estado de Minas

Σχόλια


bottom of page