top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Brasil fica em penúltimo lugar entre os mais competitivos do mundo


Reprodução

O ranking World Talent, que mede a capacidade de atração e retenção das empresas por país, publicado pelo International IMD (Institute for Management Development), mostrou o Brasil em penúltima posição entre os 64 mais competitivos.
O país fica atrás da Venezuela e à frente apenas da Mongólia. Em primeiro lugar está a Suíça, mais uma vez (ela ocupa o primeiro lugar desde a criação do ranking, em 2014), seguida por Luxemburgo e Islândia. O IMD é suíço e uma das mais importantes instituições de ensino superior da Europa.

Veja as outras colocações do ranking World Talent
Uma das maiores disparidades entre os índices do Brasil e da primeira colocada é o investimento público anual em educação. Enquanto a Suíça investe US$ 26 mil por aluno a cada ano, o Brasil coloca US$ 1,9 mil. Em relação ao PIB, no entanto, o Brasil investe um pouco mais: 5,9% – enquanto o investimento do primeiro colocado está em 5,7%. O Chile, melhor colocado da América Latina, em 50º lugar, investe US$ 3,1 mil. E 5,5% do seu PIB.

Trabalho remoto entre os mais competitivos
Normalizar o trabalho remoto, total ou híbrido, aparece como fator determinante para a retenção de talentos ao redor do mundo e é determinante para a entrada e manutenção das mulheres no mercado, segundo o estudo. “As economias em que o trabalho remoto é considerado menos prejudicial para o desenvolvimento de carreira são também as que se destacam na atração e retenção de profissionais altamente qualificados, bem como nos níveis de participação feminina no mercado de trabalho”, segundo o estudo.
“À medida que as economias se tornam mais orientadas para os serviços, a presença física dos trabalhadores no país dos seus empregadores já não é necessária. Em suma, observamos o surgimento de um novo tipo de trabalhador que se formou num país, vive noutro e trabalha para uma empresa localizada num terceiro país”, diz o professor Arturo Bris, diretor do IMD e condutor do estudo.
De maneira geral, os países ainda não conseguiram retornar aos níveis de competitividade que se registrava antes da pandemia. A classificação média de talentos nos países do sul da Ásia e do leste europeu aproximou-se entre 2019 e 2023. Enquanto isso, as disparidades em regiões já atrasadas, como a América do Sul, aumentaram. Na região, Chile aparece na posição 50, Argentina está em 54º, Peru, 55º, Colômbia 57º e Venezuela em 62º.
“Os ‘vencedores’ – ou seja, os países mais competitivos – são os países que dão ênfase à formação profissional e à aprendizagem em detrimento de disciplinas acadêmicas. Não recomendamos uma vs. outra, mas as compensações econômicas de qualquer uma das opções são relevantes”, afirma Bris.
O ranking leva em consideração 31 critérios que envolvem dados concretos, além de respostas a pesquisas feitas com 4 mil executivos do mundo todo.
Fonte: Forbes

Comments


bottom of page