top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Caso Walewska: polícia investiga queda do 17º andar de prédio em São Paulo

O caso foi registrado como "morte suspeita" no 78º Distrito Policial da capital paulista



Circunstancias da morte da ex-atleta estão sendo investigadas pelo 78º Distrito Policial da capital paulista - FOTO: REDES SOCIAIS


São Paulo – A Polícia Civil de São Paulo investiga a morte da ex-jogadora de vôlei e campeã olímpica Walewska Oliveira, de 43 anos. De acordo com o registro da ocorrência, ela teria caído do 17º andar do prédio em que morava, em Cerqueira César, bairro nobre da região central da capital. O corpo foi encontrado por volta das 18h30 da quinta-feira (21/9).

Registrado como “morte suspeita”, o caso está aos cuidados do 78º Distrito Policial de São Paulo, nos Jardins. A polícia analisa câmeras de segurança do edifício para entender o que aconteceu nas horas que antecederam o falecimento de Walewska.

Segundo testemunhas, a ex-jogadora teria caído do salão de festas do prédio. O marido dela estaria no apartamento do casal, em outro andar do edifício, no momento da tragédia.

Ouvido pela polícia, o marido de Walewska, Ricardo Alexandre Mendes, contou que o casal enfrentava uma crise no casamento de 20 anos. Ele disse que, nessa quinta-feira, voltou do trabalho às 17h30 e não encontrou a mulher em casa. Em seguida, resolveu dormir e, por volta de 18h30, foi acordado por funcionários do prédio com a informação de que houve um “acidente”.

As câmeras de monitoramento registraram a chegada de Walewska à área de lazer do edifício às 16h50. Segundo a polícia, ela carregava uma garrafa de vinho e uma pasta com papel sulfite.

Campeã olímpica

Mineira de Belo Horizonte, Walewska nasceu em 1º de outubro de 1979 e começou bem cedo a carreira profissional no vôlei. Em 1995, já era titular como meio-de-rede no Minas, onde ficou até 1998.

A atleta era conhecida pelas companheiras como amiga de sorriso fácil. “A Wal era puro sorriso, alegria, respeitava as pessoas. Só trazer esse testemunho de quem era a Walewska fora das quadras. Dentro, todo mundo percebia a postura de uma atleta exemplar e respeitada por todos”, afirmou Fabi, ex-companheira de Walewska na Seleção.

Antes dos 20 anos, já havia sido convocada para a Seleção Brasileira sob o comando de Bernardinho. Foi uma espécie de ligação entre uma geração mais antiga, com Márcia Fu e Ana Paula, e outra mais nova, com Tainara, por exemplo.




Com o Brasil, conquistou o ouro nos Jogos de Pequim, em 2008, e bronze nos Jogos de Sydney, em 2000. Ainda ajudou a Seleção a conquistar três títulos no Grand Prix (2004, 2006 e 2008), um na Copa dos Campeões (2013) e um nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg, em 1999.

FONTE: O METRÓPOLES

Comments


bottom of page