top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Coluna Fatos e Versões com Rodrigo Silva Fernandes - 01/12/2023



Gazeta é líder em Varginha
O Jornal Diário Regional Gazeta de Varginha foi reconhecido pelo público, novamente, em 2023 como o jornal impresso preferido do leitor. A pesquisa de opinião foi realizada pelo Instituto Rede de Pesquisa e Planejamento em parceria com a Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Varginha – ACIV. A entrega do prêmio aconteceu na semana passada pelo presidente da ACIV à nossa Diretora Ana Maria Silva Piva. A Gazeta já havia conquistado este mesmo título em anos anteriores e também conquistado outros títulos de reconhecimento público em outros institutos de pesquisa. Ao longo dos seus 58 anos de existência a Gazeta de Varginha é uma referência em jornalismo, informação de confiança e qualidade em Varginha e região, reconhecida pela população, com liderança confirmada pelos institutos de pesquisa e instituições locais. A mais de meio século a Gazeta vem registrando a história da região, fatos históricos e momentos marcantes de Varginha. A história da cidade vem sendo contada nas páginas do nosso diário ao longo destes anos. Este jornalista, em nome da Gazeta de Varginha e toda sua equipe de colaboradores, agradece ao Instituto Rede de Pesquisa e Planejamento e a Associação Comercial de Varginha – ACIV pelo prêmio, mas principalmente, agradece aos nossos milhares de leitores do impresso e digital que recebem a Gazeta diariamente. É uma alegria saber que a Gazeta faz parte da vida de milhares de varginhenses diariamente! Obrigado!

Disputas partidárias
Ainda há muitos rumores e poucas certezas sobre o controle do PSB em Varginha. A legenda conta hoje com nomes como o ex-vereador Rogério Bueno e acreditava-se que a legenda acompanharia os partidos de esquerda como PT e PV no lançamento de uma candidatura conjunta na cidade. Todavia, o vereador Joãozinho Enfermeiro pode vir a comandar o PSB em Varginha nas próximas eleições. Atualmente na base de apoio do Governo Verdi, o vereador Joãozinho Enfermeiro por meio do PSB, pode dar caminho para o lançamento de mais um pré-candidato a prefeito de Varginha em 2024. Trata-se do ex-vereador Serginho Japonês que possui experiência legislativa e apoio popular pelo trabalho realizado junto ao INSS, principalmente entre os eleitores mais velhos. A disputa pelo controle do PSB em Varginha é mais uma de muitas que ocorrem nos bastidores da política municipal. Nesta semana, outra legenda que também traçou caminhos foi o MDB. A legenda que no passado já ocupou espaços importantes da política municipal conquistando 1/3 do Legislativo e comandando a Prefeitura de Varginha por muitos mandatos, hoje não possui nem vereador, mas quer mudar sua história. Atualmente o presidente do diretório do MDB em Varginha, o professor Stefano Gazola e sua executiva da legenda, estão trabalhando ativamente para montar uma chapa completa de candidatos a vereador, faltando poucas vagas para fechar a chapa a ser apresentada na convenção partidária. Quanto à disputa majoritária, na movimentada reunião realizada nesta semana, o MDB definiu que vai lançar candidato próprio à Prefeitura de Varginha e tudo caminha para que Stefano Gazola represente a legenda em 2024. O MDB ainda conversa com o Solidariedade, que também deve lançar chapa completa de candidatos ao Legislativo e deve acompanhar o MDB na disputa majoritária municipal.

Mal feito e mal resolvido?
A coluna já questionou, juntamente com centenas de comerciantes e moradores das proximidades da Avenida Otávio Marques de Paiva, o constante problema de escoamento das águas pluviais do córrego que margeia a avenida, que foi novamente inundada depois de fortes chuvas nos últimos dias. Foram poucos minutos de chuva que já bastaram para transformar a avenida num rio. O comércio local amargou prejuízos, o trânsito foi prejudicado e os pedestres correm riscos de acidentes, bem como doenças etc. O problema mais grave é que toda a avenida Otávio Marques de Paiva foi planejada e construída pela Prefeitura de Varginha e vem apresentando problemas de (mau) planejamento desde sua criação! Ou seja, um serviço público mal feito! Os registros de problemas na referida avenida seguem os muitos gastos públicos no local, com a Prefeitura de Varginha fazendo “remendos, gastando dinheiro público e não resolvendo o problema”. O que vão fazer agora? Qual será o novo gasto público naquela localidade? Será que, agora, vão gastar recurso público mas vão resolver os problemas de dimensionamento da obra, ou teremos mais recursos públicos indo pelo ralo?

Porto Seco voando e ajudando Varginha a decolar
Varginha tem conquistado investimentos importantes nos últimos meses, basicamente no setor agrícola/café ou na distribuição de produtos, principalmente farmacêuticos/higiene e beleza. A tradição e estrutura do município no comércio de café, aliada a estrutura comercial e logística do Porto Seco Sul de Minas têm sido os maiores responsáveis por estas conquistas. Além disso, é necessário dizer que a sintonia do setor produtivo e o poder público, principalmente governos municipal e estadual, também tem feito a diferença em favor de Varginha, desburocratizando processos e simplificando a vida de quem empreende. Ainda estamos muito aquém do necessário para concorrer com cidades como Extrema e Pouso Alegre, que já receberam investimentos em torno de um bilhão de reais, como Pouso Alegre. Mas estamos no caminho certo e crescendo. Um importante indicativo do crescimento econômico de Varginha foi a recente ampliação dos voos da Azul Companhia Aérea que faz a linha BH – Varginha – BH. Agora teremos quase que um voo diário para a Capital mineira. Com voos de domingo a sexta. Isso é um importante atrativo para o mundo econômico local, aproxima Varginha das decisões da Capital e das empresas e investimentos que passam por Belo Horizonte. Em 2024 cabe às autoridades locais mais um desafio no avanço da cidade com a conquista de voo direto de Varginha para SP! Certamente que o poder público municipal e estadual tem seu mérito por isso, mas principalmente o setor produtivo é o responsável por este desenvolvimento. Vale dizer que são os empreendedores que geram riqueza e não o governo. Enquanto o setor produtivo luta para se manter sustentável, mesmo com alta carga tributária nacional, (todo) o governo é sustentado e gasta com ineficiência nos impostos.

Conferência Nacional da OAB reúne milhares do mundo jurídico em BH
A Conferência Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, realizada em Belo Horizonte nesta semana, fez história no mundo jurídico nacional. O evento foi marcado por sua grandiosidade, sendo o maior encontro jurídico do mundo reunindo mais de 22 mil advogados, além de diversos representantes da magistratura, Ministério Público entre outros. Além disso, os temas atuais debatidos mostraram o quanto se faz necessária a atuação da advocacia brasileira. O Brasil vive momentos difíceis com limitação da liberdade em muitos setores, inclusive na Justiça. Sem falar no cipoal de leis existentes no país que vive uma “ditadura de minorias”. Alguns momentos marcantes do evento foram registrados para a história da advocacia e ecoaram por todo o Brasil. Como na abertura do evento, onde o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Roberto Barroso estava presente na mesa e ouviu do presidente da OAB/MG, Sérgio Leonardo a contrariedade da advocacia brasileira ou ver as constantes limitações de defesa e desrespeito às liberdades e prerrogativas da advocacia, principalmente nos tribunais superiores. Aplaudido de pé pelo enorme público presente no Expominas, Sergio Leonardo falou com altivez o que milhares de advogados e outros cidadãos desejam bradar ao Judiciário, que o Brasil é um país livre e todo poder emana do povo e não de suas excelências encasteladas em palácios de mármore e altos contracheques pagos com recursos públicos. Vale registrar, ainda, que a Conferência Nacional da Advocacia teve também outra presença marcante que mostrou a força dos juristas mineiros. O advogado Gustavo Chalfun, presidente da Caixa de Assistência dos Advogados do Brasil em Minas Gerais foi um dos líderes e organizadores do evento em Minas, mostrando às autoridades jurídicas de todo o Brasil a altivez e liderança com que são forjados os advogados mineiros.

Solução paliativa e pela metade
As obras do novo Velório Municipal de Varginha devem começar em breve. A licitação para a contratação da empresa responsável pela obra já foi publicada no Diário Oficial. A Prefeitura de Varginha fez um grande investimento na compra de imóveis próximos do Cemitério Municipal para acomodar o novo velório, mas o esforço do governo para dar dignidade às famílias velarem seus entes queridos se encerra no novo e espaçoso velório que será construído, porque o problema de falta de vagas no cemitério municipal continua sendo grave. Atualmente a população carente de Varginha precisa “dar sorte de conseguir uma cova rasa no cemitério municipal ou pagar preços astronômicos para cremar ou sepultar seus parentes falecidos no único cemitério privado de Varginha”. A coluna já disse que falta coragem e sensibilidade ao governo municipal para resolver o problema, pois caso a Prefeitura de Varginha oferecesse à população carente o serviço de cremação gratuita ou a preços módicos poderia atenuar o sofrimento e humilhação das famílias carentes. Caso o município ofertasse a cremação dos falecidos, isso iria reduzir a demanda de vagas no cemitério municipal e ainda iria dar dignidade às famílias carentes. Atualmente, quando se consegue uma vaga para sepultamento no cemitério municipal, o espaço é semelhante a uma “caixa de fósforos, onde o defunto pode ficar apenas por alguns poucos anos, antes de seus restos mortais precisarem ser transferidos para o ossário municipal, para dar lugar a outro sepultamento. O ossário municipal fica sujeito a vandalismos e outras obscenidades. Mas um caso de “boa vontade pela metade, ou solução temporária com pouca ou nenhuma eficiência”.

Foi caro, mas ficou bonito!
A inauguração da Decoração Natalina de 2023 do município de Varginha, ocorrida no último dia 25 de novembro, foi um sucesso, pois a população gostou e ficou realmente muito bonito. As luzes festivas foram oficialmente acesas, transformando a cidade e trazendo à memória de quem participou do evento toda a paz e esperança relacionada ao Natal. Destacando-se como atração principal, a renomada Orquestra Filarmônica de Varginha proporcionou um espetáculo musical envolvente, conquistando os presentes com performances marcantes. O evento reuniu muitas pessoas no centro de Varginha. A decoração foi colocada não apenas no centro da cidade, mas também nos bairros e principais vias de Varginha. A sintonia entre a ornamentação festiva e a apresentação da Orquestra Filarmônica contribuiu para criar momentos inesquecíveis e fortalecer o espírito natalino na cidade. Mas a coluna registra que este espetáculo deveu-se exclusivamente ao investimento da Prefeitura de Varginha, como aliás acontece todos os anos. Mas não deveria ser assim, pois o governo deveria buscar apoiadores na iniciativa privada ou mesmo outras instituições e setores que são diretamente beneficiados pela decoração natalina. O comércio poderia contribuir, a Cemig poderia contribuir, empresas parceiras do município poderiam contribuir. Além disso, algumas das decorações poderiam ser construídas por entidades locais a partir de material reciclado ou mesmo serem adquiridas para utilização todos os anos ao invés de gastos enormes a cada final de ano com nova decoração. O desafio não é apenas fazer algo bonito que encanta a população, pois isso o governo tem feito todos os anos, gastando muito dinheiro público! O desafio para qualquer governo é mobilizar parceiros para dividir a conta e reduzir custos de uma decoração que é bonita, mas não está entre as prioridades da população varginhense que tem problemas com segurança pública, saúde, educação etc.

Será que agora vai?
A Coluna foi pioneira na cobrança da Copasa para que instale geradores de energia de forma permanente em suas principais estações de tratamento de Varginha. A falta deste equipamento é a causa maior das muitas faltas de abastecimento de água na cidade. É cômodo para a Copasa jogar a culpa na Cemig (outra estatal do Governo de MG) para fundamentar sua falta de respeito e investimentos na cidade. Depois de muitas cobranças da imprensa e lideranças políticas, a Copasa enviou correspondência ao governo municipal dizendo que vai instalar os ditos geradores de energia nas duas principais estações de tratamento de Varginha. Resta agora ver se a Prefeitura de Varginha vai mesmo fiscalizar e cobrar o efetivo cumprimento da promessa, pois não é a primeira vez que a empresa promete e não cumpre. E também não é a primeira vez que a Prefeitura de Varginha mostra incompetência ao fiscalizar e cobrar eficiência da Copasa. Vamos ficar de olho!

Comments


bottom of page