top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Coluna Fatos e Versões com Rodrigo Silva Fernandes - 22/12/2023




Oitava posição
Varginha possui a oitava posição no valor adicionado fiscal VAF por município, a classificação ainda é provisória mas traz informações importantes sobre como está a competição regional pelo desenvolvimento no Sul de Minas. Vejam por exemplo que a disputa entre Pouso Alegre, Varginha e Poços de Caldas que anteriormente também tinham as cidades de Itajubá e Lavras, agora parece que apenas Pouso Alegre e Varginha permanecem competitivas, pelo menos em relação ao VAF. E porque o posicionamento no VAF é importante? É por meio da classificação no VAF que o Estado faz boa parte da redistribuição de impostos aos municípios. Assim, quanto melhor colocado no VAF, mais recursos o município recebe. Poços de Caldas não aparece na listagem das oito cidades melhor colocadas. Contudo, Varginha aparece atrás de Pouso Alegre, com uma arrecadação de R$ 3 bilhões a menos. Pouso Alegre está na sétima colocação. Mas a revelação que começa a ganhar consistência a cada ano são os números da cidade de Extrema, que aparece em sexto lugar na lista, com arrecadação de quase R$ 21 bilhões, e R$ 3 bilhões à frente de Pouso Alegre e R$ 6 bilhões à frente de Varginha. Pelo que se vê, enquanto Varginha, Pouso Alegre e Poços de Caldas estavam brigando por liderança, a pequena cidade de Extrema trabalhou em silêncio e deu um show para empresários e autoridades políticas para ensinar como se desenvolve e produz. 

Liderança nacional 
O presidente do Senado,  Rodrigo Pacheco (PSD) está ganhando protagonismo político em Minas Gerais com a atuação direta na negociação da dívida do estado com a União. Pacheco é hoje o político mineiro com melhores condições de negociar com o presidente Lula, uma opção viável para o Estado de Minas que deve cerca de R$ 160 bilhões à União. Na verdade, é preciso dizer que Zema não pegou nem um centavo emprestado no valor expressivo da dívida. Mas também não conseguiu sucesso nas negociações com a Assembleia Legislativa ou com o Governo Federal para chegar a uma proposta aceita por todos. Zema faz um bom trabalho, mas ninguém vai conseguir gerir Minas sem que seja encontrada uma solução definitiva para esta dívida. A união entre o governador Romeu Zema e o presidente do Senado Rodrigo Pacheco não é apenas necessária, mas obrigatória tendo em vista o momento político e oportunidade de solução do caso. Mesmo que os aliados diretos de Zema e Pacheco não gostem da ideia. Sabe-se que Zema e Pacheco já se estranharam no passado, mas a “dificuldade de convivência está mais em seus aliados que nas duas lideranças”. Isso ocorre porque do entorno de Zema pode sair o próximo candidato a governador que sucederia Zema em Minas. E vale dizer que muitos aliados próximos ao governador querem este posto. Já em relação a Rodrigo Pacheco, seu nome sempre é lembrado para vaga no Supremo Tribunal Federal e agora por fim, para uma possível disputa ao Governo de Minas em 2026. A análise da coluna acredita que Zema e Pacheco vão precisar aprender a trabalhar juntos sem ouvir seus incendiários assessores e aliados. Afinal, o futuro de Minas e o próprio futuro político de ambos depende do sucesso nesta negociação da dívida do estado e muitas outras batalhas que somente poderão vencer se somarem forças.  
 
Cemig vai fazer neve em BH 
Pela primeira vez, nos 126 anos desde a criação da Capital Mineira, vai nevar em Belo Horizonte. Trata-se de uma ação da Cemig que promete deixar o Natal ainda mais especial. O “fenômeno” será possível graças a uma campanha realizada pela empresa em três pontos de ônibus de diferentes regiões da capital mineira: Centro-Sul, Barreiro e Venda Nova. Nestes locais, estão instalados totens decorados – com boneco de neve e árvore de Natal – e neve, só que em versão simulada com ajuda da tecnologia. Além disso, os locais possuem decoração especial e contam com sistema de som que toca músicas típicas da época natalina. A população poderá conferir essa ação especial até o dia 25 de dezembro. A ação da empresa é inovadora e mostra como boas ideias de promoção e marketing podem alavancar investimentos, pois diversas outras empresas já estão procurando copiar a ideia 
 
Porto Seco atrai outra multinacional
Mais uma indústria multinacional farmacêutica confirmou a migração do seu centro de distribuição para o condomínio Citlog do Porto Seco do Sul de Minas, localizado em Varginha. O contrato foi assinado pelo Porto Seco, pelo fundo de investimentos Hedge e a empresa recentemente. Ela vai ocupar uma área de mais de 6 mil m². O nome da empresa ainda não foi anunciado.
O faturamento anual da multinacional é estimado em R$ 2 bilhões. “Esse valor irá se somar aos mais de R$ 20 bilhões das demais empresas já instaladas no condomínio, que assim passa a ser o maior do Brasil do canal Farma”, disse o diretor do Porto Seco, Breno Paiva. Os ganhos do Porto Seco para Varginha estão sendo cada dia mais significativos e mostra o quanto a iniciativa privada precisa estar inserida nos planos de gestão dos governos, pois nenhum governo consegue a eficiência e rapidez da iniciativa privada, todavia, pouco o empreendedor consegue evoluir se não tiver o apoio ou mesmo o não entrave dos governos.   
 
Atuação Parlamentar Garante Recursos Essenciais para Estados e Municípios 
Em uma decisão importante, o Congresso Nacional aprovou a Lei Complementar nº 201/2023, contando com o voto favorável do Deputado Federal Dimas Fabiano na Câmara dos Deputados. Essa legislação, originada do Projeto de Lei Complementar 136/23, trouxe consigo uma ótima notícia para o quadro financeiro do estado e municípios de Minas Gerais, diante da queda de arrecadação no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis. A nova lei garantiu a compensação de 27 bilhões, com a antecipação de R$10 bilhões da parcela de 2024. Essa medida fortalece as transferências para o Fundo de Participação dos Estados e dos Municípios, em resposta ao impacto sofrido nas receitas e diante do aumento das despesas ao longo do exercício de 2023. Em especial, a compensação destinada aos municípios representa papel crucial para assegurar a continuidade dos serviços essenciais oferecidos à população.
O deputado Dimas Fabiano ressalta a importância dessa medida como um passo significativo para enfrentar os desafios financeiros que os municípios têm enfrentado.
Além dessa conquista expressiva, o parlamentar tem demonstrado seu compromisso com Varginha e região. Nos últimos meses, Dimas Fabiano destinou recursos substanciais para a área da saúde, com a liberação de 1.400.00,00 para o Hospital Regional e 100 mil para a FUVAE (Fundação Varginhense de Assistência aos Excepcionais). O Deputado Dimas também conseguiu a inclusão de Varginha no Programa Mineiro de Acessibilidade, Inclusão e Saúde (Promais), consolidando o compromisso de proporcionar avanços concretos para pessoas com deficiência e doenças raras, com a aquisição e instalação de equipamentos específicos para melhorar a qualidade de vida dessas pessoas, promovendo inclusão e um ambiente mais acolhedor e igualitário para todos os cidadãos varginhenses. 
 
Perguntar não ofende 
Diante de uma clara divisão de apoios no Legislativo municipal, as lideranças populares nos bairros também vão se polarizar entre apoiadores do governo e oposição, ou teremos uma terceira via na cidade para dar opção a quem não concorda com o que está acontecendo? 
 
Qual a durabilidade e qualidade das obras asfálticas realizadas pela Prefeitura de Varginha? Há registro de novos recapeamentos em vias por onde o governo já havia aplicado massa asfáltica? Como se dá a fiscalização das muitas obras que estão sendo entregues? 
 
Será que os petistas locais vão aceitar apoiar uma chapa composta por dois nomes não petistas nas eleições municipais de 2024? Há quem diga que os petistas vão trair o PV e PP e podem ser um “peso no palanque” para a oposição! 
 
O MDB de Stefano Gazola terá chance de construir e liderar uma terceira via política em Varginha nas eleições de 2024? Como fica a amizade de Stefano Gazola com o prefeito Vérdi Melo e o deputado estadual Cleiton Oliveira? Gazola poderia ser a “segunda opção do governo e da oposição”? 

Commentaires


bottom of page