top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Corante, aromatizante, adoçante e conservante: entenda o rótulo dos alimentos que você consome

Especialistas alertam que algumas substâncias não têm finalidade, são os chamados aditivos 'cosméticos', que visam apenas realçar sabor, cheiro ou cor, por exemplo.

Você já parou para ler os rótulos dos alimentos que consome? Se olhar atentamente, é bem capaz que encontre algum aditivo alimentar nesses produtos, principalmente se eles forem ultraprocessados.

💡 Os aditivos alimentares são substâncias adicionadas pela indústria durante o processamento para melhorar a qualidade, realçar sabor, aparência, textura, manter a cor ou prolongar sua vida útil. Na lista estão, por exemplo, os conservantes, adoçantes, corantes, aromatizantes e espessantes.
🌭 Já os alimentos ultraprocessados são aqueles que passam por um processo industrial maior e são transformados quimicamente, como produtos em conserva, enlatados, frios e embutidos. Mas como identificar um aditivo? Cristiane Moulin de Moraes Zenobio, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), dá uma sugestão: se você viu um nome diferente no rótulo, que não tem na natureza, então você pode deduzir que é um aditivo alimentar.

Mas como identificar um aditivo? Cristiane Moulin de Moraes Zenobio, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), dá uma sugestão: se você viu um nome diferente no rótulo, que não tem na natureza, então você pode deduzir que é um aditivo alimentar.
"Quer um exemplo? A tartrazina (corante alimentar). Você já viu um pé de tartrazina?", diz a endocrinologista.
Atualmente, há 24 funções tecnológicas aprovadas para aditivos alimentares no Brasil e 406 aditivos permitidos, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
👉 Eles estão indicados no final da lista de ingredientes, seja pelo nome completo ou o número cadastrado no Sistema Internacional de Numeração do Codex Alimentarius (INS). (Veja a lista completa da Anvisa aqui).
🚨 E atenção: não é possível definir um limite "seguro" de consumo de aditivos. (Veja mais abaixo.) A função dos aditivos alimentares Os aditivos são ingredientes adicionados intencionalmente aos alimentos, sem propósito de nutrir. Eles modificam as características físicas, químicas, biológicas ou sensoriais do produto, durante sua fabricação, processamento, preparação, tratamento, embalagem, acondicionamento, armazenagem, transporte ou manipulação.
Eles podem apresentar diversas funções. Conservante e antioxidante, por exemplo, desenvolvem papéis importantes na preservação dos alimentos. O problema ocorre quando os aditivos não têm nenhuma funcionalidade.
Apelidados de "aditivos cosméticos" por uma parte dos profissionais da área, esses aditivos têm como função tornar os produtos finais mais atrativos e palatáveis. Entre eles estão: corante, aromatizante, emulsificante, realçador de sabor e adoçante.
🔻 Veja, abaixo, alguns aditivos conservadores (importantes para preservar o alimento) e transformadores (conhecidos como cosméticos).


"Pegando o whey protein como exemplo, se tomar sem sabor nenhum, um rótulo clean, ele não é gostoso. O que a indústria faz? Para tornar as misturas de derivados de alimentos atrativas e saborosas, eles colocam aditivos alimentares", exemplifica a nutricionista Vanessa Montera, que teve como tema da tese de doutorado os aditivos alimentares — o trabalho foi publicado no periódico Food and Function, da Sociedade Real de Química, do Reino Unido.
Outro exemplo dado pela nutricionista é a bebida láctea sabor morango.
Ela não tem morango, mas tem o aromatizante que dá o cheiro, o sabor. Para ter a cor, a indústria coloca o corante. Daí que vem o termo cosmético. Eles usam uma maquiagem para deixar o produto mais atrativo, mais saboroso, com uma cor bonita. E isso não tem sentido.
— Vanessa Pereira Montera, mestre em Ciências Cardiovasculares e doutora em Alimentação, Nutrição e Saúde
No levantamento, Vanessa descobriu que quase 80% dos mais de 9,8 mil produtos analisados tinham ao menos um aditivo.
  • Seis grupos representaram mais de 50% dos itens avaliados no estudo: doces e sobremesas, carnes processadas, alimentos de conveniência, molhos e temperos, biscoitos e queijos.

  • 24,8% dos produtos continham seis ou mais aditivos. Para a nutricionista, os alimentos são coquetéis de aditivos. Ela recorda que um produto de panificação tinha 35 aditivos alimentares.

  • Os produtos com mais aditivos foram as bebidas de fruta saborizadas, refrigerantes, outras bebidas (à base de soja, chás prontos, leite de coco), produtos lácteos adoçados e não adoçados, néctares, doces e sobremesas.

  • Entre os cinco aditivos mais usados, quatro eram do tipo cosmético (aromatizantes, corantes, estabilizantes e emulsificantes). As exceções foram os conservadores, que fazem com que os alimentos durem mais tempo.


Aditivos alimentares e ultraprocessados — Foto: Freepik

Os aditivos e a nossa saúde Não é possível definir um limite "seguro" de consumo de aditivos. A Anvisa é a responsável por regulamentar e liberar o uso (e quantidade) de cada aditivo nos alimentos. O problema é que a segurança para o consumo é testada no aditivo isoladamente — e a quantidade adicionada ao alimento não precisa ser indicada no rótulo.
A nutricionista ressalta que a falta de obrigatoriedade sobre a quantidade de aditivo no rótulo é um problema. "Como consumimos vários produtos ultraprocessados, estamos expostos a mais aditivos".
Não temos um estudo do mix dos aditivos em diferentes alimentos. Ele é testado em uma condição determinada. Quando consumimos um alimento com muitos aditivos, não sabemos qual é esse efeito somatório. E esse risco é ainda maior para as crianças, que podem atingir facilmente esse 'limite permitido'.
— Cristiane Moulin, endocrinologista

Vanessa Montera concorda e lembra que até fórmulas infantis possuem aditivos. "A forma com que consumimos os aditivos não é a forma como eles são liberados. A gente consome um coquetel de aditivos. Hoje temos as crianças muito expostas, com o consumo começando na fase do recém-nascido. Como garantir segurança?". As especialistas relatam que existem estudos que apontam os malefícios dos aditivos, como reações alérgicas aos corantes.
"Temos estudos que associam um consumo dos aditivos com alteração de microbiota intestinal, com inflamação da mucosa intestinal, com doenças cardiovasculares. Hoje, temos muitas evidências trazendo informação de que esses aditivos talvez não sejam tão bonzinhos quanto a gente pensava", completa Montera.
A endocrinologista da SBEM levanta uma outra questão: a obesidade, principalmente a infantil. Sabemos que ultraprocessados podem levar ao aumento de peso. Além disso, os aditivos podem realçar sabores de determinados produtos, tornando alimentos que não eram palatáveis em mais atrativos. O resultado? A pessoa come mais, com menos qualidade.
Alimentos ultraprocessados e aditivos alimentares — Foto: vecstok
Evitando os ultraprocessados O ideal seria abolir os ultraprocessados da nossa alimentação, mas isso é praticamente impossível. Nessa conta, entram fatores como a falta de tempo para preparar "comida de verdade" e falta de dinheiro para investir em produtos in natura.
Uma dica das especialistas é simples: ler o rótulo do alimento e comparar com os similares (se bem que às vezes pode ser difícil, já que as letrinhas costumam ser bem pequenas). Também existem aplicativos que podem ajudar nessa busca por alimentos com menos aditivos, como o Desrotulando.
Precisamos descascar mais e desembalar menos.
— Cristiane Moulin de Moraes Zenobio, endocrinologista da SBEM

FONTE:G1

コメント


bottom of page