top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Entenda relação entre a onda de calor e temporais devastadores no Sul de Minas; uma pessoa morreu




A chuva na quarta-feira (1º) deixou uma pessoa morta e diversos transtornos no Sul de Minas. O temporal foi registrado em várias cidades da região e aconteceu após dias de calor intenso. De acordo com especialistas no assunto, a tempestade tem relação com a onda de calor.

Um pedreiro morreu após a estrutura de um barracão se soltar e cair sobre ele às margens da MG-444, no Distrito Industrial, em Cássia (MG). Segundo a Polícia Militar, a vítima trabalhava na obra, no momento em que um temporal com fortes ventos atingiu a região. A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Comdec) confirmou que esta foi a primeira morte do período chuvoso deste ano.

De acordo com o meteorologista do Inmet, Claudemir Azevedo, as fortes chuvas no Sul de Minas foram provocadas pelo aumento da instabilidade decorridos do forte calor e também da aproximação de uma frente fria ao sudeste do país.
“Geralmente essas pancadas de chuvas vêm acompanhadas de raios, rajadas de vento e até granizos. São temporais típicos da estação da primavera e ocorrem especialmente em uma situação de uma atmosfera bastante instável, com muito calor, temperaturas bastante elevadas e umidade elevada na região”, explicou Claudemir.

O g1 ouviu o professor de Climatologia da Universidade Federal de Alfenas, Paulo Henrique de Souza. Ele explicou como estes temporais são provocados.
“Ele [calor] provoca uma corrente ascendente na medida em que a superfície vai sendo aquecida. Esse aquecimento, ele é permanente por conta de que nós estamos vários dias com essa insolação excessiva”.

“O ar é seco para essa época do ano, mas esse ar consegue levar um pouco de umidade lá para cima. Como ele subiu muito rápido, o resfriamento dessa umidade também é muito rápido. E aí a saturação, que força o movimento descendente, já traz junto essas gotículas que conseguiram chegar lá em cima. Aí você pode ver que formam nuvens de uma forma tão rápida, dá aquela chuva rápida e logo ela passa. Mas qual que é o problema? É a intensidade dela naquele momento. E aí vem vendaval, vem destruição, que infelizmente não tem nenhuma ação mitigadora para lidar com isso”, explicou Paulo.
Fonte: G1

Comments


bottom of page