top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Especialista destacou "incongruências jurídicas” na ordem para ouvir funcionários do Twitter/X

Divulgação
O advogado Andre Marsiglia destacou que decisão recente do ministro do STF possui 'incongruências jurídicas' O advogado constitucionalista Andre Marsiglia publicou uma lista de supostos equívocos da ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal /STF), para ouvir os representantes do Twitter/X no Brasil.

A postagem é de terça-feira 16. Moraes, que também preside o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), autorizou os depoimentos de funcionários do Twitter/X no Brasil, na terça-feira. A decisão tem como objetivo apurar as condutas do dono da plataforma, Elon Musk. Contudo, para Andre Marsiglia, a ordem do ministro tem “incongruências jurídicas”. Ele listou quatro “erros” de Moraes.

O primeiro diz respeito ao fato de o inquérito ter como “objeto” Elon Musk, e não seus funcionários. De acordo com Marsiglia, não se poderia intimar alguém da empresa em um inquérito sobre Musk, com o objetivo de saber sobre a empresa e seu dono. “Não pode ser ouvida uma pessoa sobre procedimento alheio a ela”, reafirmou o advogado.

O segundo “erro”, na avaliação do especialista, é o de intimar alguém para averiguar se houve descumprimento de alguma decisão judicial. “Não se chama alguém na delegacia e pergunta: o senhor cometeu algum crime?”, interpelou o advogado.

A terceira incongruência do ministro, conforme Marsiglia, é a de pedir depoimentos. O advogado explica que se a finalidade de Moraes é saber se Musk descumpriu alguma ordem do Judiciário como, por exemplo, reativar perfis bloqueados judicialmente, não é necessário ouvir os funcionários.

Para o advogado, basta solicitar documentações que comprovem a ação. Por fim, Marsiglia lembra que a “opinião pública inteira” confirmou que Musk não é o CEO do Twitter/X. Ainda assim, na nova decisão, o “erro” persiste. Alexandre de Moraes e PGR querem averiguar se houve descumprimento de decisões judiciais no Twitter/X Além de Moraes, o procurador-geral da República, Paulo Gonet, citou, em documento, os questionamentos que considera como “pertinentes” aos funcionários do Twitter/X no Brasil:
• se Elon Musk tem, conforme estatuto da empresa, atribuição para espontaneamente determinar a publicação de postagens na rede;
• se Elon Musk fez alguma determinação sobre perfis vedados por ordem judicial brasileira;
• se a empresa tirou o bloqueio de perfil até agora suspenso por determinação judicial (caso tenha feito isso, a PGR defendeu que a plataforma informe quem seria competente para essa tarefa na empresa); e
• quais os perfis que retornaram para a plataforma, no caso de haver reativação das contas diante do bloqueio determinado por ordem judicial em vigor.

Na semana passada, Moraes rejeitou o pedido do Twitter/X no Brasil para se eximir de responsabilidade quanto às ordens da Corte. Conforme os advogados da plataforma no Brasil, seus representantes em solo brasileiro não têm o poder de interferir nas decisões do Twitter/X. Por isso, não poderiam garantir o cumprimento de decisões judiciais.

Em 7 de abril, ao inserir Elon Musk no inquérito, Alexandre de Moraes estabeleceu uma multa diária de R$ 100 mil para cada perfil que for reativado pelo Twitter/X, sobretudo os judicialmente bloqueados. Elon Musk: “EUA não permitem que Twitter/X viole leis de outros países” Na segunda-feira 15, Elon Musk fez uma publicação em que afirma que as leis dos Estados Unidos não permitem a violação das leis de outras soberanias.

Além disso, citou Alexandre de Moraes, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral. A declaração foi publicada no Twitter/X, em resposta a uma postagem da equipe institucional da plataforma. Esta última afirmou que enviou um parecer ao Comitê Judiciário da Câmara dos Representantes norte-americano dobre as decisões do STF. “As leis dos Estados Unidos impedem o Twitter/X de participar de corrupção que viole as leis de outros países”, explicou Elon Musk. “É o que Alexandre de Moraes exige que façamos.”

O especialista André Marsiglia enumerou algumas inconsistências na ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), para interrogar os funcionários do Twitter/X no Brasil. Segundo Marsiglia, a decisão recente do ministro possui algumas falhas jurídicas.

Ele destacou que o inquérito tem como alvo Elon Musk, em vez de seus funcionários, o que, na visão do advogado, não seria apropriado. Além disso, Marsiglia questionou a necessidade de convocar depoimentos para averiguar o descumprimento de decisões judiciais, sugerindo que documentações seriam suficientes. Ele também mencionou que a opinião pública já confirmou que Musk não é o CEO do Twitter/X, mas essa informação não foi considerada na decisão do ministro.

Tanto Moraes quanto o procurador-geral da República, Paulo Gonet, expressaram interesse em investigar se houve violação de decisões judiciais por parte do Twitter/X, levantando questionamentos sobre o papel de Elon Musk na empresa e sobre decisões específicas tomadas pela plataforma. Na semana anterior, Moraes rejeitou a solicitação do Twitter/X para se isentar de responsabilidade em relação às ordens do STF, impondo multas diárias em caso de reativação de perfis judicialmente bloqueados.

Elon Musk também se pronunciou sobre o assunto, afirmando que as leis dos Estados Unidos não permitem que o Twitter/X viole as leis de outros países, em referência às demandas de Moraes.
Fonte: Revista Oeste

Comments


bottom of page