top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Este mês, o valor da cesta básica fica estável em Varginha





Após três meses consecutivos com elevação, o valor da cesta básica em Varginha (ICB-UNIS), calculado pelo Departamento de Pesquisa do Grupo Unis e pelo GEESUL, apresentou estabilização com leve queda de -0,55% no início de março em comparação com o mesmo período de fevereiro.

As maiores elevações ocorreram com os produtos banana, tomate, café em pó e leite integral. Já as quedas mais consideráveis foram da batata, óleo de soja, pão francês e arroz.

No período de doze meses, entre março de 2023 e março de 2024, a alta acumulada atinge 4%. O ICB-Unis é calculado no início de cada mês usando uma metodologia adaptada do DIEESE, consistindo na coleta de preços dos 13 produtos que compõem a cesta básica nacional de alimentos nos principais supermercados da cidade.

No início de março, o valor médio da cesta básica nacional de alimentos para o sustento de uma pessoa adulta na cidade de Varginha é de R$657,36.
Este valor corresponde a 50,33% do salário mínimo líquido (salário mínimo total menos o desconto do INSS).

O trabalhador da cidade de Varginha, que recebe um salário mínimo mensal, precisa dedicar 102 horas e 25 minutos por mês para adquirir essa cesta de bens alimentícios básicos.

Entre fevereiro e março, dos 13 produtos pesquisados, seis tiveram alta nos preços médios: Banana (32,13%), Tomate (14,61%), Café em pó (5,64%), Leite integral (4,91%), Açúcar refinado (3,68%) e Farinha de trigo (1,45%). O feijão carioquinha manteve os valores inalterados, e seis produtos apresentaram queda nos preços: Batata (-32,57%), Óleo de soja (-13,76%), Pão francês (-8,35%), Arroz (-4,72%), Carne bovina (-2,11%) e Manteiga (-0,48%).

Como previsto no último relatório, o comportamento das safras e a dinâmica da oferta foram determinantes para o resultado do índice da cesta básica neste início de março em Varginha. A queda foi muito tênue, significando uma estabilidade e mantendo o nível de comprometimento do salário mínimo líquido acima de 50%. Um ponto positivo nessa última pesquisa foi o início da queda nos preços do arroz e a estabilidade nos valores do feijão carioquinha, produtos que nos últimos meses impactaram muito o orçamento da população devido às fortes altas.

No curto prazo, espera-se que os preços dos alimentos continuem dependendo fortemente das safras e do clima, ou seja, das volatilidades da oferta. Apontamos para possibilidade de queda nos valores de hortifrutigranjeiros, arroz e feijão, o que pode contribuir para diminuição no valor da cesta básica na cidade.

Comments


bottom of page