top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Homem inventa que ex é informante da polícia, e mulher é morta por tribunal do tráfico

Segundo a Polícia Civil do Rio, ele não aceitava o fim do relacionamento e movido pelo ciúmes inventou essa informação sobre a vítima


Iago dos Santos Fonseca, de 26 anos, foi preso pela Polícia Civil Foto: Reprodução/TV Globo

Um homem foi preso nesta quarta-feira, 13, suspeito por um feminicídio que ocorreu na comunidade da Fazendinha, no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro. A vítima era a sua ex-companheira, Janayna Evangelista Napoleão, de 22 anos. Segundo a Polícia Civil informou, por não aceitar o fim do relacionamento, ele teria inventado que ela era informante da polícia e a mulher foi morta pelo tribunal do crime. 

O suspeito, identificado como I. S. F., de 26 anos, foi capturado em sua residência, no bairro Rodilândia, em Nova Iguaçu, Baixada Fluminense, por policiais civis da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA). 

Segundo as investigações, ele manteve um relacionamento de sete anos com a mulher. Após um desentendimento, ela saiu da casa em que residia com o criminoso, em Nova Iguaçu, e foi morar na casa de parentes, na Fazendinha. Ela arrumou um emprego em um shopping center da região e começou a se relacionar com outra pessoa na comunidade.

O homem, segundo apurado, nunca aceitou a ideia de ficar separado dela. Durante as investigações, os policiais analisaram diversos áudios enviados pelo acusado para o celular da vítima, que demonstraram as ameaças, exigindo que ela voltasse a morar com ele em Nova Iguaçu.

De acordo com a Polícia Civil, o preso chegou a ir até a comunidade para falar com a vítima, mas foi reprendido por ela e dois amigos. Movido pelo ciúme e pela raiva, o homem inventou que a vítima e seus amigos seriam informantes da polícia, conforme apontam as investigações. 

A informação chegou até os traficantes do local, que os submeteram ao "tribunal do tráfico". Eles foram mortos e seus corpos ocultados na comunidade. Segundo os agentes, os corpos ainda não foram localizados e não há registro de desparecimento dos amigos da vítima.

"A investigação continuará para identificar os outros desaparecidos e prender os traficantes envolvidos no crime", informou a Polícia Civil por meio de nota.

O Terra tenta localizar a defesa do investigado. O espaço segue aberto para manifestações.

FONTE: TERRA

Comments


bottom of page