top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Idoso com Câncer Enfrenta Aumento Abusivo de Mais de 300% na Mensalidade do Plano de Saúde

Henrique Manuel Morgado, um bancário aposentado de 72 anos diagnosticado com um câncer agressivo, viu sua mensalidade do plano de saúde disparar recentemente de R$ 2,7 mil para pouco mais de R$ 11 mil — um aumento exorbitante de mais de 300%. Especialistas consideram o reajuste abusivo.

Em entrevista ao jornal O Extra, Morgado expressou sua angústia: "Chorei várias vezes ao ver o dia do vencimento se aproximar. Fiquei desesperado. Já estava difícil com R$ 2,7 mil. Nesse novo valor, é impossível. Sempre paguei e nunca usei o plano. Quando mais preciso, acontece algo assim."

A fatura com vencimento para 1º de julho chegou no fim de junho, revelando o reajuste significativo. Seu contrato é coletivo por adesão, administrado pela QV Benefícios e operado pela Unimed-Ferj.

Complicações no Tratamento de Saúde: Além dos problemas financeiros, Morgado enfrenta complicações no tratamento de seu câncer. Diagnosticado com adenocarcinoma avançado no intestino em 2022, a doença se espalhou para o pulmão e o abdômen. Após quimioterapia intravenosa inicial, ele passou para o tratamento oral devido ao agravamento do quadro.

No entanto, enfrenta dificuldades com a entrega irregular da medicação, com a segunda remessa já com atraso de 20 dias. Além disso, a Unimed-Ferj tem atrasado a entrega das bolsas de colostomia e negado procedimentos essenciais, como o PET-CT, crucial para detectar tumores em seu corpo.

Posicionamento da ANS e Reclamações Anteriores: Henrique Morgado já havia enfrentado aumentos significativos no plano de saúde no passado, com a mensalidade subindo de R$ 1,8 mil para R$ 2.761 no ano anterior, um aumento de 52%. Após não obter explicações satisfatórias da operadora, ele recorreu à Justiça.
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) explicou que os reajustes podem ocorrer devido à variação anual de custos ou mudança de faixa etária, mas não se pronunciou especificamente sobre o caso de Morgado.
Fonte:Revista Oeste

Commentaires


bottom of page