top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Minas tem baixa adesão ao ‘Pacto de Promoção da Equidade Racial’ no mercado de trabalho

Apenas duas empresas mineiras aderiram à iniciativa por meio do Protocolo ESG Racial para o Brasil




Minas Gerais está entre os estados com baixa adesão ao ‘Pacto de Promoção da Equidade Racial’, conforme dados apresentados nesta segunda-feira (23) pelo Pacto de Promoção da Equidade Racial.

A taxa de desocupação da população parda ou preta é historicamente maior do que a de brancos, mas essa diferença no ano de 2020, por exemplo, bateu um recorde atingindo 71,2% entre as duas taxas, justamente no auge da pandemia da Covid-19.

Entre as empresas que aderiram está a Farmax, indústria de cosméticos, produtos de higiene pessoal e suplementação alimentar, com sede em Divinópolis, região Central de Minas, que assinou o compromisso neste mês de outubro.

A fundadora da Negra Rosa, Rosangela Silva, uma das lideranças na Farmax e uma das principais influenciadoras de beleza negra no país, avalia que a adesão ao Pacto é emblemática e mais um passo na longa jornada desta causa.

“Essa assinatura ilustra o comprometimento e a postura da Farmax em relação a essa causa. Infelizmente ainda são poucas as empresas brasileiras que têm a coragem de assumir esse compromisso. É uma conquista importante”, comemora Rosangela.

Lançado em 2021, o ‘Pacto de Promoção da Equidade Racial’ busca atrair a atenção de grandes empresas nacionais e multinacionais e da sociedade civil para o tema, por meio da proposta de implementação de um protocolo ESG racial para o Brasil.

A iniciativa foi desenvolvida durante um ano por um grupo de mais de 140 pessoas, incluindo representantes da comunidade negra, especialistas financeiros e em ESG, acadêmicos, docentes, advogados, econometristas, pesquisadores, empresários e profissionais e lideranças de organizações do terceiro setor. A iniciativa é gerida pela Associação de Promoção da Equidade Racial, uma entidade privada e sem fins lucrativos.

Adesão

O processo de adesão é totalmente voluntário e gratuito, conforme informações do Pacto. Para implementação e controle dos processos, bem como para o cálculo do Índice ESG de Equidade Racial (IEER), as empresas precisarão contratar uma Certificadora, que usualmente será uma empresa de auditoria ou certificação, que atenderá aos requisitos definidos no Regulamento ESG.

Os analistas das Certificadoras responsáveis pelo cálculo do IEER serão formados por uma Homologadora, devidamente habilitada pelo Conselho Deliberativo da Associação que gere o Pacto. Essas organizações Homologadoras serão necessariamente lideradas por negros.

FONTE: Itatiaia


Comments


bottom of page