top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Mulher conhece namorada em app, viaja para vê-la e acaba em cárcere privado


Uma jovem de 22 anos, moradora de Curitiba, viveu momentos de terror após se mudar para Brasília para encontrar sua namorada que conheceu por meio de um aplicativo. O que começou como uma promessa de amor se transformou em um caso de polícia envolvendo agressões, violência psicológica e cárcere privado.

A jovem havia informado à sua família que estava se mudando para a capital federal para morar com a namorada que conheceu em um aplicativo de relacionamento. Entretanto, durante a viagem ela parou de dar notícias. Até que, na última quarta-feira (22/5), a mãe recebeu um SMS com pedido de socorro.

No texto, a filha dizia que estava em cárcere privado, impedida de usar o telefone, manter contato com a família e até sair de casa sozinha. Imediatamente, a mãe acionou a polícia em Curitiba, o que resultou em uma operação conjunta entre o 13º Distrito Policial e a Divisão de Repressão a Sequestros da Polícia Civil do Distrito Federal.

Durante as investigações, a polícia identificou a namorada da jovem como uma mulher de 41 anos, com histórico de violência doméstica. Após localizarem o endereço da suspeita, os agentes se dirigiram ao local na noite seguinte, em 23 de maio, e encontraram a jovem que foi colocada em cárcere privado.

Em depoimento à polícia, a vítima contou que a mulher havia retirado o chip de seu celular, impedindo qualquer contato com a família, e monitorava todos os seus movimentos. Ao tentar pôr fim ao relacionamento no início deste mês, ela foi agredida e teve todos os contatos do celular deletados, além de mensagens do WhatsApp apagadas. Ela também era forçada a trabalhar na própria residência, onde funcionava uma fábrica de tijolos de cimento, sem receber salário.

A mulher foi presa em flagrante pela Polícia Civil do Distrito Federal e irá responder pelo crime de cárcere privado, combinado com a Lei Maria da Penha. A jovem curitibana, por sua vez, recebeu apoio da corporação para recolher seus pertences e retornar em segurança para Curitiba.
Fonte: O Tempo

Comments


bottom of page