top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

No próximo dia 08 de abril TRE-PR pode retomar o julgamento do senador Sergio Moro.


Fonte: Geraldo Magela/Agência Senado

A análise do processo foi interrompida na quarta-feira, dia 3 de abril; cinco juízes ainda precisam deliberar sobre a punição. A desembargadora eleitoral Claudia Cristina Cristofani, do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), solicitou mais tempo para análise, resultando na suspensão do julgamento, referente à possível cassação do mandato do senador Sergio Moro (União Brasil-PR).

Juntamente com a desembargadora e o presidente do TRE-PR, Sigurd Roberto Bengtsson, ainda estão pendentes os votos dos juízes Anderson Fogaça, Guilherme Denz e Julio Jacob Junior. Com o pedido de prorrogação feito por Cristina, o caso será retomado na próxima segunda-feira, dia 8 de abril. Adicionalmente, o tribunal marcou uma sessão extra para a terça-feira, dia 9, caso seja necessário prosseguir com o julgamento.

A requisição para revisão do caso foi feita após o voto favorável à cassação do mandato do senador pelo desembargador Jose Rodrigues Sade, nomeado ao cargo pelo presidente Lula da Silva. Sade discordou do parecer do relator, Luciano Carrasco Falavinha Souza, que se posicionou contra o pedido de cassação. O placar atual está empatado em 1 a 1.

Após a decisão do TRE-PR, o processo de Moro será encaminhado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Enquanto aguarda a resolução final, o senador permanece em sua função, mesmo que haja uma cassação no nível regional. Se a cassação for confirmada, uma eleição suplementar será convocada no Paraná.

O processo de cassação de Moro Moro está sendo julgado por duas Ações de Investigação Judicial Eleitoral (Aije). Ele é acusado de abuso de poder econômico devido a supostos gastos excessivos antes do início formal da campanha de 2022. O ex-juiz chegou a ser candidato a presidente pelo Podemos e utilizou recursos para sua pré-campanha.

O Partido Liberal (PL) e a Federação Brasil da Esperança – Fé Brasil (PT, PCdoB e PV) entraram com os processos contra Moro em novembro e dezembro de 2022, respectivamente, cerca de um mês após a eleição do ex-juiz.

Fonte: Revista Oeste

Comentarios


bottom of page