top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

O Google introduziu uma nova inteligência artificial destinada a identificar golpes em dispositivos móveis

Divulgação


A empresa revelou que os usuários enfrentaram perdas financeiras superiores a R$ 5 bilhões devido a esses golpes ao longo de um ano. O sistema de IA, denominado Gemini, será empregado para reconhecer padrões associados a chamadas fraudulentas e notificar os donos de smartphones sobre possíveis golpes. Segundo o que foi apresentado pela empresa na terça-feira, os usuários receberão alertas caso alguém se faça passar por um representante bancário e solicite transferências urgentes, pagamentos com cartão ou informações pessoais.

Uma pesquisa citada pelo Google revela que os usuários sofreram perdas superiores a US$ 1 bilhão (R$ 5,2 bilhões) devido a fraudes ao longo de um ano. A Gemini Nano, uma versão localizada da inteligência artificial, operará dentro do dispositivo móvel, garantindo que os dados das conversas não sejam compartilhados com a empresa.

Em outra frente, o Google também lançou o Ask Photos, uma ferramenta que permite aos usuários encontrar fotos por meio de consultas de texto interpretadas pela IA Gemini. Isso inclui a capacidade de perguntar sobre a melhor foto de um álbum ou de uma viagem a uma cidade. Além disso, a tecnologia permitirá consultas de informações em vídeos e até mesmo a geração de legendas para publicações em redes sociais como Instagram e YouTube.

A empresa prometeu melhorar os assistentes virtuais, como o Google Assistant, Siri e Alexa, por meio da tecnologia Gemini Nano, que capacitará os smartphones a entenderem o contexto de informações como imagens, sons e linguagem falada.

Esses avanços também se estenderão à acessibilidade, com recursos do Gemini Nano previstos para integrar o TalkBack, fornecendo descrições mais detalhadas e precisas para pessoas com deficiência visual ao interpretar imagens, auxiliando também em compras online ao oferecer mais informações sobre produtos e suas características.

Fonte: Revista Oeste


Commentaires


bottom of page