top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Operação do Gaeco investiga fraude em contratos de limpeza pública, com mandatos em Pouso Alegre MG

Ação conjunta com a Polícia Militar e Ministério Público é realizada na manhã desta segunda-feira (4). Segundo o MP, empresa privada teria subornado agentes públicos da cidade.


Prefeito e secretários de Pirassununga são afastados durante operação do Gaeco

A Polícia Militar e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público (MP), realizam uma operação em Pirassununga (SP) na manhã desta segunda-feira (4) para apurar fraudes em contratos de limpeza pública.
A Operação Calliphora, defalagrada pelo Setor de Competência Originária Criminal da Procuradoria-Geral de Justiça, visa desarticular organização criminosa dedicada desviar recursos em contratos da Prefeitura de Pirassununga, em meio a investigação de crimes de fraude a licitações, peculato, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.
Com apoio do 10º Batalhão de Ações Especiais (BAEP) da PM, a operação cumpre 13 mandados de busca e apreensão em Pirassununga, São José do Rio Preto (SP) e Pouso Alegre (MG). Segundo o Ministério Público, por determinação do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), foram afastados de seus cargos por 180 dias:
  • José Carlos Mantovani (PP) - prefeito de Pirassununga;

  • Luiz Carlos Montagnero Filho - secretário de Governo;

  • Marcos Alecsandro de Oliveira Moraes - secretário da Agricultura;

  • Jeferson Ricardo do Couto - superintendente do Departamento de Águas e Esgoto de Pirassununga (Saerp);

  • Dercilene dos Santos Magalhães - pregoeira do setor de licitações.

Segundo a decisão, eles não podem ter acesso ou frequentas as dependências da prefeitura, de manter contato com qualquer servidor que atua na administração municipal, além de não manter contato com investigados, testemunhas, declarantes e colaboradores.
O g1 não havia obtido retorno da prefeitura sobre as exonerações até a última atualização desta reportagem. Investigação
Operação do Gaeco em Pirassununga investiga fraude em contratos de limpeza pública — Foto: Arquivo pessoal
Segundo o apurado pelo MP, uma empresa privada de limpeza pública teria subornado agentes públicos da cidade, incluindo prefeito e secretários municipais, para ser favorecida em contratos de coleta de lixo, varrição e roçagem e receber recursos públicos em desconformidade com os serviços prestados.
Parte dos repasses de valores teria acontecido, de acordo com as investigações, mediante “triangulação financeira”, com envolvimento de terceirizados da empresa e contas bancárias de parentes ou pessoas indicadas pelos agentes públicos.
A investigação teve como base análise de diversas provas documentais, interceptações das comunicações telefônicas e telemáticas, além de dados e informações de fontes abertas. O exame do material apreendido e outras diligências darão continuidade às apurações.
O MPSP trabalha para que os responsáveis pelo saque aos cofres públicos sejam efetivamente punidos, na proporção de todas as mazelas que a falta dos recursos causa para a população, e que esses valores sejam repatriados para o município.
FONTE:G1

Comments


bottom of page