top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Pesquisadores da Polícia Federal e da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) estão conduzindo os últimos testes de segurança nas urnas eletrônicas antes das eleições municipais deste ano

Foto: Antonio Augusto / TSE


As eleições municipais programadas para 6 de outubro, com possível segundo turno em 27 de outubro. Esses testes estão acontecendo na sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e visam confirmar a correção de falhas identificadas em testes anteriores.

O Teste Público de Segurança (TPS) é uma prática padrão em cada ciclo eleitoral. Durante este processo, os códigos-fonte são examinados e ataques simulados para detectar vulnerabilidades no sistema de votação eletrônica. No ciclo atual, o TPS está sendo realizado após uma fase anterior em que foram identificadas algumas inconsistências, que agora estão sendo reavaliadas.

Os testes anteriores, conduzidos entre 27 de novembro e 2 de dezembro do ano passado, não comprometeram a integridade ou o sigilo do voto, mas identificaram algumas possíveis falhas, como erros na inicialização da urna e problemas no procedimento de carga das informações. Essas falhas foram posteriormente corrigidas pela equipe técnica do TSE.


Durante o teste de confirmação atual, estão sendo avaliados os firmwares e mídias das urnas eletrônicas dos modelos 2022 e 2020, além de diferentes aspectos do sistema eletrônico de votação, como gerenciador de dados, aplicativos, software de carga, software de votação, sistema de apuração, entre outros.

Além dos pesquisadores da UFMS e da PF, sete pesquisadores do Laboratório de Arquitetura e Redes de Computadores (Larc) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) estão participando dos testes para fornecer suporte técnico durante a execução dos planos de reteste.

Fonte: Agencia Brasil

Bình luận


bottom of page