top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Policial federal mineiro é um dos alvos de nova operação contra suposta espionagem ilegal na Abin

Servidor público mora em Juiz de Fora, mas trabalha atualmente em São João del Rei. Suposto esquema espionava GPS de autoridades.


Um policial federal mineiro, de nome ainda não informado, é um dos alvos da operação que apura um esquema na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para monitorar, ilegalmente, autoridades públicas e cidadãos comuns. O servidor público mora em Juiz de Fora, mas trabalha atualmente em São João del Rei.

Ao todo, a Polícia Federal cumpre 21 mandados de busca e apreensão no país nesta quinta-feira (25). São 18 em Brasília (DF), 1 em Juiz de Fora (MG), 1 em São João del Rei (MG) e 1 no Rio de Janeiro (RJ).

Segundo a PF, além das buscas, há outras medidas alternativas à prisão sendo cumpridas, incluindo a suspensão imediata de sete policiais federais supostamente envolvidos no monitoramento ilegal.

A GloboNews também apurou que outro alvo da operação é o ex-diretor da Abin e atual deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ), que comandou a agência no governo Jair Bolsonaro.

Operação faz buscas no gabinete de Alexandre Ramagem na Câmara dos Deputados — Foto: GloboNews/Reprodução
Operação 'Vigilância Aproximada'

A ação desta quinta foi chamada de “Vigilância Aproximada” e é um desdobramento da Operação “Primeira Milha”, iniciada em outubro de 2023 para investigar o suposto uso criminoso da ferramenta “FirstMile”.

LEIA MAIS:


Naquele momento, quando a denúncia do uso do sistema veio à tona, a Abin confirmou que utilizou a tecnologia. O programa foi comprado no fim do governo Temer, a poucos dias da posse de Jair Bolsonaro, e usado até parte do terceiro ano do mandato.

FONTE:G1

Comments


bottom of page