top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Sigma Lithium aumenta o programa de conservação contra o desmatamento para atingir uma área recorde de 7 km²


A Sigma Lithium anunciou hoje uma expansão no programa de Conservação de Florestas Tropicais, com o objetivo de criar um "Cinturão de Conservação Contra o Desmatamento" em torno do Médio Vale do Jequitinhonha, adquirindo áreas com potencial risco de serem desmatadas para se tornarem pastos para gado.

As afiliadas da Empresa planejam adquirir terras em uma região localizada a 250 km de distância da companhia, 100% dentro do bioma de floresta tropical da Mata Atlântica.

Caso o Cinturão de Conservação seja desmatado, haverá o aumento significante de impactos adversos das mudanças climáticas no Médio Vale do Jequitinhonha, que já está registrando algumas das temperaturas mais altas do Brasil.
O Cinturão de Conservação representa uma "proteção ambiental de florestas tropicais" que circunda o Médio Vale do Jequitinhonha e que, atualmente, alivia as altas temperaturas já registradas na região semiárida.

Araçuaí e Itinga, cidades onde a empresa está localizada, estão no bioma "caatinga" (vegetação semiárida brasileira).

A Sigma Lithium, por meio de uma de suas partes relacionadas, adicionará, aproximadamente, 350 hectares de terras de Mata Atlântica a serem preservadas, além dos 340 hectares já preservados, totalizando 690 hectares equivalentes a 7 km² de floresta tropical.

Essa iniciativa faz parte de seu programa de compensação ambiental, por meio do qual a empresa compensa a caatinga (vegetação semiárida, do tipo arbórea baixa) localizada ao redor da companhia em uma floresta tropical localizada a 250 km de distância, para criar um Cinturão de Conservação contra o desmatamento.

A SIGMA Lithium Corporation ("Sigma Lithium" ou a "Empresa") (NASDAQ: SGML, TSXV: SGML, BVMF: S2GM34), uma das principais produtoras globais de lítio, dedicada a alimentar a próxima geração de veículos elétricos com concentrado de lítio neutro em carbono e de origem responsável, anunciou, em 11 de abril, a expansão no programa de Conservação da Mata Atlântica, com o objetivo de criar um "Cinturão de Conservação Contra o Desmatamento” em torno do Médio Vale do Jequitinhonha, adquirindo áreas com potencial risco de serem desmatadas para se tornarem pastagens para gado.

Expansão do programa de Conservação da Mata Atlântica
O Cinturão de Conservação representa uma "proteção ambiental de florestas tropicais" que circunda o Médio Vale do Jequitinhonha, proporciona umidade e, atualmente, alivia as altas temperaturas já registradas na região semiárida. Aracuai e Itinga, cidades onde a empresa está localizada, estão no bioma "caatinga" (vegetação semiárida brasileira).

As afiliadas da empresa planejam adquirir terras de floresta tropical em uma região localizada a 250 km da Sigma Lithium, sendo 100% dentro do bioma da Mata Atlântica. Se o Cinturão de Conservação fosse suprimido, aumentaria significativamente os impactos adversos das mudanças climáticas no Médio Vale do Jequitinhonha, que já apresenta algumas das temperaturas mais altas do Brasil. A Sigma Lithium, por meio de uma de suas partes relacionadas, adicionará aproximadamente 350 hectares de terras de Mata Atlântica a serem preservadas, além do total de 340 hectares já preservados, como parte de suas iniciativas de "ajuste" de carbono para diminuir as emissões. Essa doação é a compensação ambiental pelo futuro desmatamento da caatinga (vegetação semiárida do tipo arbusto baixo) localizada ao redor da companhia.

Sobre a Sigma Lithium
A Sigma Lithium (NASDAQ: SGML, TSXV: SGML, BVMF: S2GM34) é uma produtora líder global de lítio dedicada a alimentar a próxima geração de baterias de veículos elétricos com concentrado de lítio de grau químico neutro em carbono, social e ambientalmente sustentável.

A Sigma Lithium opera na vanguarda da sustentabilidade ambiental e social na cadeia de suprimento de materiais para baterias de veículos elétricos e atualmente está produzindo o concentrado de lítio Quintuple Zero Green Lithium em seu Projeto Grota do Cirilo, no Brasil. A Fase 1 do projeto entrou em produção comercial no 2T23 e tem uma capacidade anual de 270.000 toneladas de concentrado (36.700 LCE anualmente).

A empresa emitiu uma Decisão Final de Investimento aprovando formalmente os planos de quase dobrar a capacidade para 520.000 toneladas de concentrado por meio da adição de uma mina de concentrado da Fase 2 e de uma mina associada. O projeto produz concentrado de lítio em sua planta de lítio Greentech de última geração, que utiliza 100% de energia renovável, 100% de água reciclada e 100% de rejeitos empilhados a seco.

Consulte o relatório técnico National Instrument 43-101 da empresa, intitulado "Projeto de Lítio Grota do Cirilo - Regiões de Araçuaí e Itinga, Minas Gerais, Brasil, Relatório Técnico Alterado e Revisado", emitido em 19 de março de 2024, que foi preparado para a Sigma Lithium por Homero Delboni Jr., MAusIMM, Promon Engenharia; Marc-Antoine Laporte, P.Geo, SGS Canada Inc.; Jarrett Quinn, P.Eng, MAusIMM, Promon Engenharia; Marc-Antoine Laporte, P.Geo, SGS Canada Inc; Jarrett Quinn, P.Eng., Primero Group Americas; Porfirio Cabaleiro Rodriguez, (MEng), FAIG, GE21 Consultoria Mineral; e William van Breugel, P.Eng (o "Relatório Técnico Atualizado"). O Relatório Técnico Atualizado está arquivado no SEDAR e também está disponível no site da Empresa.
Fonte: SINDIJORI

Comments


bottom of page