top of page
1e9c13_a8a182fe303c43e98ca5270110ea0ff0_mv2.gif

Suporte Aéreo Avançado de Vida realizou mais de 1,2 mil atendimentos em Minas em 2023



“Aqui trabalhamos com a luta entre a vida e a morte e estamos sempre procurando o resultado positivo, que é a vida. Em todo esse tempo, tive muitas alegrias e também tristezas, mas o que carrego comigo é que ajudamos muitas pessoas e nosso dia a dia é voar para salvar”. Assim o tenente coronel Peterson José Paiva Monteiro resume os quase 12 anos de atuação do Suporte Aéreo Avançado de Vida (Saav).

O serviço, oferecido pelo Governo de Minas, é fruto de parceria entre a Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG), o Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), o Comando de Aviação do Estado (Comave) e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), por meio dos Consórcios Regionais de Saúde. O Saav tem como diretrizes a redução do tempo de resposta aos chamados, a agilidade para acesso aos serviços de saúde e a humanização do contato e do atendimento em qualquer parte do estado.

“Nos orgulhamos muito do que fazemos. Somos os maiores operadores aeromédicos do SUS no Brasil e conseguimos colocar Minas Gerais num patamar não existente no país. Isso demonstra o quanto temos retornado para a sociedade e todo o investimento que a SES-MG e o Corpo de Bombeiros fazem para manter essas aeronaves trabalhando”, comemora o tenente coronel Peterson. Ele é comandante do Batalhão de Operações Aéreas (BOA), que começou a atuar em 2006 e, desde 2012, viabiliza os transportes inter-hospitalares, por meio do Saav.

Desde o início das operações, foram registradas mais de 19 mil horas de voo, com 7.780 pacientes transportados e 9.249 atendimentos. Em 2023, foram 1.227 atendimentos e 963 transportes. A frota conta com cinco helicópteros e dois aviões que operam em quatro bases, localizadas em Belo Horizonte, Montes Claros, Varginha e Uberaba, para otimizar a resposta aos chamados.

A previsão é que mais quatro aeronaves sejam entregues neste ano e outras duas bases sejam inauguradas na região Leste do estado e na Zona da Mata mineira. As bases contam com pilotos, tripulantes operacionais, médicos, enfermeiros, mecânicos e técnicos de apoio de solo, que cuidam do abastecimento dos aviões e helicópteros.

“Estamos investindo muito na expansão do transporte de urgência e emergência no estado para que os pacientes rapidamente sejam socorridos e transferidos. Seja por via terrestre ou aérea, essa velocidade é primordial para salvar muitas vidas,” ressalta o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti.

“Até o final de 2024, teremos uma cobertura de 100% do Samu em Minas Gerais e, com as novas aeronaves, que devemos receber já nos próximos meses, vamos criar as bases do Saav em Governador Valadares e Juiz de Fora, alcançando todo o estado com a cobertura área do serviço, o que vai garantir um tempo de resposta muito menor”, anuncia o secretário.

Ele destaca ainda que Minas Gerais é uma referência para todo o país, inclusive apoiando outros estados no transporte de pacientes e órgãos para transplantes.
Ana Elisa Machado da Fonseca, coordenadora de Atenção às Urgências e Emergências da SES-MG, explica a atuação em parceria. “A SES-MG é responsável por financiar as aeronaves, o Corpo de Bombeiros disponibiliza o espaço físico, pilotos e toda a condução aérea, e os consórcios de saúde cedem os profissionais do Samu que atuam na gestão e regulação dos atendimentos”, detalha ela.

“O serviço aéreo garante um tempo resposta menor que 30 minutos a toda a população do estado, alcançando rapidamente locais de difícil acesso e dando o atendimento imediato a toda a população mineira, por meio da priorização dos casos de acordo com a gravidade”, evidencia a coordenadora.

As principais portas de entrada para o atendimento pela equipe do Saav são o sistema SUSFácil de regulação estadual de pacientes, onde chegam as demandas de transporte inter-hospitalar ou interestadual de urgência e transferências de pacientes graves; as chamadas feitas para os bombeiros pelo telefone 193, ou para o Samu, pelo 192; ou, ainda, o emprego por iniciativa própria do grupamento, quando tomam conhecimento de alguma ocorrência que precisa de atendimento rápido, como em desastres ou acidentes.

De acordo com o coronel Alexandre Gomes Rodrigues, que ingressou na carreira militar em 1995 e participou da primeira turma de pilotos do BOA, o maior desafio é não se envolver emocionalmente para que tudo seja executado de maneira ágil e em segurança.

A gente lida com tragédias, como a que aconteceu em Brumadinho e a pandemia da covid, que foram sem precedentes, além de termos as situações do dia a dia, com o transporte dos pacientes em estado grave, principalmente recém-nascidos. Tem dias que transportamos dois, três pacientes ou quantos forem necessários. Mas precisamos nos ater à parte da frente da aeronave e deixar a equipe médica atuar, garantindo sempre um voo seguro e a melhor conclusão do trabalho”.

“Nesses 29 anos, o que mais me marcou foram os atendimentos durante a pandemia de covid. Tivemos casos de municípios em que quase todos os habitantes se contaminaram e a gente via a gravidade e a impotência dos profissionais e dos equipamentos, porque muitas vezes não tinha o que fazer. Cada pouso que a gente faz para entregar o paciente no hospital ou no centro de referência em saúde e esse paciente é atendido e se recupera, é muito gratificante, tanto para nós do Corpo de Bombeiros, quanto para os profissionais do Samu”, destaca o coronel.

Para o tenente coronel Peterson, o trabalho exige foco, disciplina e concentração. “Nos deparamos com vários cenários e, se deixarmos a emoção tomar conta, corremos o risco de ir para um atendimento deixando a segurança em segundo plano, o que pode culminar em um acidente. Fazemos um atendimento humanizado, mas com frieza, para saber até onde podemos ir”, ressalta.

O comandante do BOA recorda ainda a tragédia de Brumadinho e conta que todos da equipe foram mobilizados e se empenham, até hoje, para encontrar os corpos das vítimas. “Recebemos uma ligação informando que a barragem tinha estourado e havia centenas de vítimas. Tínhamos que entrar na cena, mas havia lama descendo e precisávamos cuidar da segurança dos nossos. Aquela foi uma situação de carga emocional enorme. Eu estive lá, desde o começo, junto com outros colegas. Resgatávamos pessoas com vida e corpos, eram muitas emoções. Orgulhosamente, eu digo que o Corpo de Bombeiros ainda está presente em Brumadinho até hoje, quase cinco anos depois da tragédia, empenhados em encontrar até a última vítima”, relata.

Fonte: Agência Minas

Comentários


bottom of page